Slider

Poucas crianças foram imunizadas na primeira semana de vacinação contra a gripe em Bariri; foram aplicadas 1.190 doses (31% da meta); dia 11 de maio começa a segunda etapa da imunização – Divulgação

De acordo com Angélica Fanti Moço, enfermeira coordenadora da campanha de vacinação contra a Influenza (H1N1), até segunda-feira, 19, primeira semana de imunização, foram aplicadas 1.190 doses em Bariri.

A quantidade representa 31% da meta para a primeira etapa da campanha, que é imunizar 3.738 pessoas, entre crianças (a partir dos 6 meses e menores de 6 anos), gestantes, puérperas, indígenas e trabalhadores da saúde.

Segundo a equipe, o número é preocupante, uma vez que a partir do dia 11 de maio, a equipe inicia a imunização do segundo bloco de público alvo, composto por professores e idosos acima de 60 anos. “Vacinamos, em especial, poucas crianças até o momento. Esperamos que pais e responsáveis tragam os filhos para serem imunizados”, opina Angélica.

A partir de 09 de junho, ocorre a terceira etapa da vacinação. Nesse período, vão receber imunização pessoas com comorbidades, portadores de deficiência, caminhoneiros, trabalhadores do transporte coletivo rodoviário e portuário, forças armadas, funcionários do sistema prisional, população privada de liberdade e adolescentes e jovens sob medida socioeducativa.

 

Covid 19

 

Neste ano, a campanha coincide com a vacinação da Covid-19. Por isso, é preciso ficar atento. A orientação dos especialistas e do Ministério da Saúde é: quem já tomou a primeira dose da vacina contra o coronavírus deve esperar para receber a segunda dose e depois aguardar no mínimo 14 dias para tomar a vacina contra a gripe.

Isto no caso de ser a vacina CoronaVac. Se a imunização contra a Covid-19 foi através da vacina AstraZeneca não há necessidade de esperar a segunda dose porque o intervalo é de 90 dias.

 

Importância da vacinação

 

O ministério diz que a imunização contra a gripe é extremamente importante para a proteção dos grupos mais vulneráveis às complicações e óbitos decorrentes da doença, por isso deve ser mantida apesar de todos os desafios frente à circulação do novo coronavírus.

Segundo a pasta, a imunização contra a gripe vai prevenir o surgimento de complicações decorrentes da doença, óbitos, internações e a sobrecarga nos serviços de saúde, além de reduzir os sintomas que podem ser confundidos com os da Covid-19.