Slider

Psicólogo clínico Fábio Paulino diz que é preciso focar a atenção em atividades do presente – Divulgação

Em tempos de pandemia do novo coronavírus (Covid-19), com distanciamento e isolamento social, as pessoas acabam saindo da rotina e vivendo uma série de turbulências mentais.

Nesse contexto, o psicólogo clínico Fábio Paulino dá dias sobre como é possível manter a saúde mental. Ele concedeu entrevista de forma remota ao CandeiaTV na quarta-feira, dia 15 (o conteúdo está disponível no Facebook do Jornal Candeia).

Segundo ele, a pandemia afeta as pessoas em vários segmentos, como convívio social e ocupação profissional.

Com esse sentimento de vulnerabilidade, é mais fácil que pessoa fique ansiosa. Os pensamentos mais acelerados e a inquietação levam a reações emocionais e fisiológicas, podendo ocorrer transtornos de ansiedade.

Paulino aconselha as pessoas a não focar o pensamento no futuro, mas em atividades do presente.

Algumas dicas são praticar exercícios físicos (dentro de casa, para evitar aglomerações), alimentar-se bem, fazer meditação, cozinhar, entre outras tarefas.

Quanto à mudança de rotina, o psicólogo diz que é improvável que as pessoas passem pela pandemia sem algum tipo de desconforto. “O sofrimento é compreensível para uma realidade diferente do que foi planejado”, comenta ele.

Conforme o tipo de sofrimento, é preciso buscar ajuda com pessoas próximas ou com profissional.

Paulino acredita que, assim que esse problema de saúde mundial passar, as pessoas em geral irão valorizar detalhes do dia a dia que antes eram despercebidos. Entre eles estão a companhia das pessoas, o aumento da criatividade e a relação mais próxima com os outros.