Slider

Hospital São José, conhecido como Elefante Verde: intuito é que receba até o fim do ano a Diretoria Municipal de Saúde e a Central de Ambulâncias – Alcir Zago/Candeia

Alcir Zago

O prefeito de Bariri, Francisco Leoni Neto (PSDB), disse em entrevista ao Facebook do Candeia que determinou a elaboração de projeto para ocupação do andar térreo do Hospital São José, conhecido como Elefante Verde.
A ideia é reformar esse setor até o fim do ano para que receba a Diretoria Municipal de Saúde e a Central de Ambulâncias.
Segundo o prefeito, a mudança permitiria um ganho logístico para diversos procedimentos na área da Saúde devido à proximidade entre o hospital, o pronto-socorro e os setores municipais.
Neto Leoni defende a ideia de que seja feito planejamento futuro para a utilização escalonada de outros andares do hospital, que nunca entrou em funcionamento mesmo após ter recebido milhões de reais do governo federal para a construção do prédio. O pronto-socorro, por exemplo, também poderia ser transferido para o imóvel.
Uma questão a ser resolvida é a injeção de recursos públicos municipais num prédio pertencente a uma instituição privada, de cunho filantrópico, como a Santa Casa.
De acordo com o prefeito, a intervenção feita pela prefeitura desde setembro de 2018 é fundamental para a viabilidade desse projeto.

Utilidade pública

No fim de 2019 a prefeitura publicou decreto para declarar de utilidade pública o prédio que abrigaria o Hospital São José.
Na ocasião, Neto Leoni ressaltou que como já havia sido tomada a mesma providência para o imóvel da Santa Casa, em conformidade com os diretores da entidade, foi publicado o decreto referente ao Hospital São José para salvaguarda do local.
O objetivo é impedir possível leilão do complexo para quitação de dívidas contraídas pela Santa Casa e antigas filiais administradas pela Organização Social (OS) Vitale Saúde.
Em janeiro de 2018 o então prefeito Paulo Henrique Barros de Araujo assinou decreto declarando de utilidade pública o prédio da Santa Casa, na época pertencente à Vitale.
Esse imóvel mede 3,8 mil metros quadrados (m²) e situa-se na Avenida Antonio José de Carvalho, 409. No prédio funcionam serviços hospitalares de internação e realização de exames e pronto-socorro.
Na ocasião, a administração municipal informou que tomou a decisão com base no Decreto-Lei nº 3.365, de 21 de junho de 1941, legislação que trata das desapropriações por utilidade pública. No caso do hospital baririense, o intuito é a conservação de serviços públicos.
Em abril do ano passado Neto Leoni assinou decreto para declarar de utilidade pública o prédio que abriga o Museu Mario Fava.
O imóvel localiza-se na Rua Tiradentes, no centro da cidade, e foi construído por imigrantes italianos com finalidade filantrópica e também festiva. A inauguração ocorreu em 4 de novembro de 1924.