Slider

Coletiva de imprensa a Câmara de Bariri: objetivo é aumentar distanciamento social e reduzir disseminação do vírus – Alcir Zago/Candeia

Alcir Zago

A situação de colapso vivida pelo sistema de Saúde em Bariri, especialmente na Santa Casa, levou a prefeitura a decretar lockdown no município. A medida foi anunciada em coletiva de imprensa na tarde de quarta-feira (10) na Câmara Municipal. A medida temporária de restrição das atividades econômicas em Bariri foi discutida na quarta-feira, incluindo vereadores e Associação Comercial e Industrial de Bariri – Acib (leia abaixo).

Participaram o prefeito Abelardo Maurício Martins Simões Filho (MDB), vice-prefeito Luis Fernando Foloni (Cidadania), diretores Vicente Sérgio Barbieri Júnior (Desenvolvimento), Marina Prearo (Saúde), Natália Sisto Moreira (Finanças) e Flávio Dalla Coletta (Gabinete), gestor geral da Santa Casa, Mozart Marciano, e vereador Edcarlos Pereira dos Santos (PSDB). Os veículos de comunicação de Bariri, incluindo o Candeia, transmitiram a coletiva pelo Facebook.

Desde as 6h de ontem (12) até as 6h de terça-feira (16) somente alguns serviços têm autorização para funcionar em Bariri (confira box).

No início da coletiva, Abelardinho Simões disse que a decretação de lockdown era necessária devido à alta taxa de mortes em Bariri, aumento de casos de coronavírus e colapso do sistema de Saúde. Além de Bariri, São Paulo e outros estados do Brasil enfrentam graves problemas para atendimento de pacientes.

Recentemente, Araraquara decretou medida semelhante. A situação tem se tornado mais grave devido à presença na região de novas variantes do novo coronavírus, como em Jaú, Bocaina, Pederneiras etc.

“Clamo pela paciência de todos”, disse o prefeito. “Tivemos cinco mortes em 24 horas e não quero mais mortes em Bariri.”

Foloni solidarizou-se com mais de 50 famílias em Bariri que choram por mortes em decorrência da Covid-19.

Segundo ele, antes as vítimas eram pessoas idosas, mas ultimamente jovens têm morrido pelo novo coronavírus.

 

Santa Casa

 

O quadro vivido pela Saúde atualmente foi descrito na coletiva de imprensa pela diretora Marina e pela administração da Santa Casa.

Marina Prearo relatou que o hospital não dispõe de respiradores e de oxigênio para uso em pessoas com problemas respiratórios.

No caso do oxigênio, a troca de tanque recentemente pela empresa White Martins foi providencial para aumentar a oferta. Mesmo assim, a pasta de Saúde está buscando dispositivo para que duas pessoas possam utilizar a mesma saída de oxigênio. O insumo suficiente para um mês hoje tem durado uma semana.

Mozart Marciano disse que antes havia vagas pela Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde (Cross) para municípios distantes, como Osasco e Presidente Prudente, mas no momento as transferências praticamente não ocorrem. “Temos 20 pessoas na fila da Cross e as vagas não saem”, comentou o gestor. “Há 50 pacientes internados em estado graves, com saturação alterada.”

Outro problema é a falta de material e medicamentos. Com a procura cada vez maior em todo o País, há falta de insumos no mercado.

Quem procura a Santa Casa para qualquer tipo de problema de saúde tem encontrado uma situação calamitosa, sem oferta de leitos e com equipe reduzida e sobrecarregada de trabalho.

 

Distanciamento

 

As falas na coletiva de imprensa reiteraram a necessidade de maior distanciamento social entre as pessoas.

O aumento de vagas de leitos de enfermaria e UTI no Estado é importante, mas é preciso diminuir a disseminação do vírus para que menos pessoas tenham a doença e necessitem de atendimento médico.

A prefeitura irá atuar na fiscalização de estabelecimentos comerciais e de prestação de serviço e contará com o apoio da Polícia Militar (PM) em eventuais aglomerações. Também haverá foco em festas clandestinas, como, por exemplo, em edículas.

Outra ação do Executivo é reforçar o atendimento no Soma 2 (perto da Caixa D’Água) para pessoas não atendidas nas Estratégias Saúde da Família (ESFs) e interromper o atendimento presencial em unidades como a UBS do Jardim Nova Bariri e o Centro de Atendimento Psicossocial (Caps).

As pessoas devem procurar o pronto-socorro da Santa Casa somente em caso de urgências. Além de Bariri, Itaju tomou as mesmas medidas de interrupção nas atividades. Já Boraceia também decretou lockdown a partir das 12h de ontem (12).

 

Principais pontos do decreto de lockdown

 

Das 6h de ontem (12) até as 6h de terça-feira (16) fica proibida a realização de atividades comerciais, industriais e de prestação de serviços em Bariri.

 

Podem funcionar nesse período hospital, pronto-socorro, clínicas médicas para atendimento de emergências, clínicas veterinárias para atendimento de emergências, farmácias e drogarias, empresas funerárias, prestação de serviços de fornecimento de energia elétrica e água e esgoto, empresas de vigilância patrimonial, indústrias para manutenção de equipamentos que não podem ser desligados e de processos que não podem ser interrompidos, serviços de radiodifusão, telefonia e internet e postos de combustíveis para abastecimento de veículos oficiais, veículos de trabalho destinados à operacionalização das atividades contidas no decreto e caminhões de transporte de bens que precisam seguir viagem.

 

No período de lockdown fica orientada a circulação de pessoas apenas para buscar atendimento médico, atendimento veterinário, atendimento farmacêutico, atendimento de serviço funerário e se dirigir a ou retornar de local de trabalho.

 

O descumprimento do decreto ensejará pela prefeitura desde advertência escrita e multa até cassação do Alvará de Licença e Funcionamento.

 

É vedada a venda de bebida alcoólica no município entre sexta-feira (12) e segunda-feira (15), o dia todo.

 

De 12 a 16 de março fica proibida a entrada de veículos e o ingresso, temporário ou permanente, de pessoas que não residam de forma fixa e contínua em todos os condomínios, ranchos localizados às margens de rios, chácaras, edículas e áreas de lazer localizados em Bariri, com exceção de proprietários e residentes, desde que a presença não gere aglomeração no local.

 

Fonte: Prefeitura de Bariri