Composição 1_1
Composição 1_1

Prefeito Di Picapau, vice-prefeita Marlete e vereadores de Boraceia comemoram resultado  (Divulgação)

O Instituto Cidades Sustentáveis lançou recentemente o índice de desenvolvimento no país, segundo o relatório IDSC (Índice de Desenvolvimento Sustentável das Cidades).
Foram avaliados os 5.570 municípios brasileiros. Na região, Bariri aparece na 141ª colocação, com pontuação de 58,32.
A classificação segue o seguinte conceito: 0 a 39,99 – desenvolvimento muito baixo; 40 a 49,99 – desenvolvimento baixo; 50 a 59,99 – desenvolvimento médio; 60 a 79.99 – desenvolvimento alto; e 80 a 100 – desenvolvimento muito alto.
Boraceia está na 11ª posição em todo o País, com índice de 61,95. Itaju é o 432º município do Brasil (índice 55,93).
A Prefeitura de Boraceia destaca que a classificação coloca o município na mira de novos investimentos empresariais e a chegada de novos recursos estaduais e federais.
“Essa é um conquista de todos nós que juntos fazemos essa Boraceia que a cada ano se destaca ainda mais no Estado e no Brasil. Parabéns população, temos muito mais a conquistar e estamos sim no caminho certo”, afirma o prefeito Valdir de Souza Mello, Di Picapau.

17 objetivos

A metodologia do IDSC-BR foi elaborada pela rede SDSN (UN Sustainable Development Solution Network), uma iniciativa que nasceu dentro da Organização das Nações Unidas (ONU) para mobilizar conhecimentos técnicos e científicos da academia, da sociedade civil e do setor privado no apoio de soluções em escalas locais, nacionais e globais. Lançada em 2012, a SDSN já desenvolveu índices para diversos países e cidades do mundo.
O IDSC-BR apresenta uma avaliação abrangente da distância para se atingir as metas dos ODS nos 5.570 municípios brasileiros, usando os dados mais atualizados disponíveis em fontes públicas e oficiais do Brasil.
Ao todo, o índice é composto por 100 indicadores, referentes às várias áreas de atuação da administração pública.
Ao todo, o levantamento verifica 17 objetivos: erradicação da pobreza; fome zero e agricultura sustentável; saúde e bem-estar; educação de qualidade; igualdade de gênero; água limpa e saneamento; energia limpa e acessível; trabalho decente e crescimento econômico; indústria, inovação e infraestrutura; redução das desigualdades; cidades e comunidades sustentáveis; consumo e produção responsáveis; ação contra a mudança global do clima; vida na água; proteger a vida terrestre; paz, justiça e instituições eficazes; e parcerias e meios de implementação.

Fonte: Instituto Cidades Sustentáveis