Slider

Giulia de Andrade Cândido, de 21 anos, deverá responder por falso testemunho em liberdade

A mãe do bebê que morreu em Praia Grande, no litoral de São Paulo, passou por audiência de custódia e teve a liberdade concedida. Giulia de Andrade Cândido, de 21 anos, foi presa em flagrante por falso testemunho após tentar encobrir o parceiro, Ronaldo Silvestrini Junior, de 22, suspeito de ter agredido o enteado de um ano e três meses. Ele continua preso.

O padrasto foi detido por homicídio triplamente qualificado e a mãe por falso testemunho, na segunda-feira, 6, após levarem Anthony Daniel de Andrade Moraes já morto ao hospital. No atendimento, a equipe médica constatou diversas fraturas, mordidas no rosto e hematomas espalhados pelo corpo do bebê.

Os dois se contradisseram e chegaram a dizer que Anthony teria caído da escada dois dias antes mas, após suspeitas da polícia de que o bebê havia sido agredido, foram detidos.

Giulia e Ronaldo passaram por audiência de custódia na terça-feira, 7, e, de acordo com o Tribunal de Justiça, ela deverá responder ao processo por falso testemunho em liberdade.

Giulia foi presa em flagrante após tentar acobertar o crime. Apesar disso, de acordo com a polícia, ainda não está descartada a hipótese de Giulia ser também responsabilizada pela morte do bebê.

Já o padrasto, que foi preso em flagrante suspeito de ter agredido a criança, teve a prisão em flagrante convertida em preventiva e deverá continuar preso.

Após saber que a mãe de Anthony responderá ao processo em liberdade, a avó paterna do bebê, Sílvia Helena Marcelino de Moraes, reclamou da decisão.

O pai das crianças está preso e a avó agora tenta a guarda do irmão mais velho de Anthony.

A criança tem cinco anos e foi encaminhada para um abrigo em Praia Grande após a prisão do casal. Segundo a avó, o menino também apresentou marcas de agressão por todo o corpo. O velório e sepultamento de Anthony acontecerá em Bauru (SP), onde a família do pai reside, nesta quarta-feira, 8.

Fonte: G1

Foto: Divulgação