Slider

Proprietário da empresa, Willer Lavagnini Sabino Viana (à direita), acompanhou a sessão do Legislativo – Alcir Zago/Candeia

Por unanimidade de votos, a Câmara de Bariri aprovou na sessão de terça-feira (3) projeto de lei do Executivo que concede ajuda de custo à empresa Willer Confecções Eireli-ME. O proprietário, Willer Lavagnini Sabino Viana, acompanhou a sessão.

Durante discussão, os vereadores criticaram a demora da administração municipal em encaminhar a proposta, votada em caráter de urgência.

Segundo o projeto, o Executivo irá repassar à firma R$ 5.770,00 mensais pelo período de um ano, com início a partir de janeiro de 2021.

A ajuda de custo diz respeito ao aluguel de imóvel situado na Avenida Sérgio Forcin, 255, em Bariri.

Em mensagem remetida ao Legislativo, o prefeito Francisco Leoni Neto (PSDB) mencionou que a empresa está instalada em Bariri desde 2015, empregando atualmente 60 funcionários.

Por causa da pandemia da Covid-19, houve queda no faturamento. Por esse motivo, houve pedido de auxílio do poder público para que a firma conseguisse honrar compromissos.

O Conselho Municipal de Desenvolvimento de Bariri realizou visita técnica na Willer Confecções, dando parecer favorável ao pedido da empresa.

O projeto que trata do benefício ingressou na pauta da Câmara na sessão de terça-feira (3). Os vereadores assinaram requerimento para que a matéria fosse apreciada em caráter de urgência.

Houve suspensão da sessão para que as comissões dessem parecer à proposta. Em seguida, houve discussão e votação.

O vereador Francisco Leandro Gonzalez (Podemos) disse que o prefeito remeteu o projeto por causa de pressão exercida pelo Legislativo. Falou a respeito de requerimento aprovado na sessão de 19 de outubro em que os vereadores da oposição requereram cópia do Processo Administrativo nº 4.695, de abril deste ano, que trata da concessão de incentivo ao pagamento de aluguel.

Naquela ocasião, a pandemia da Covid-19 começava a afetar a saúde financeira de muitas empresas e, mesmo assim, o projeto para ajuda à empresa foi protocolado mais de seis meses depois.

O vereador Evandro Antonio Folieni (PP) também fez uso da palavra. Disse que o projeto de auxílio estava engavetado e que outros empresários que procuram a prefeitura não são atendidos.

Segundo ele, se a administração municipal economizasse com o pagamento de horas extras a alguns servidores poderia reverter o dinheiro em ajuda a empresários que necessitam.

Vagner Mateus Ferreira (Cidadania) foi outro vereador a criticar a demora no envio do projeto. Conforme o edil, somente em 2021 a empresa começará a receber o pagamento do aluguel e isso porque houve ação positiva da Câmara.