Slider

Os homicídios foram registrados com menos de 12 horas de intervalo

Com dois homicídios registrados em pouco de 12 horas de intervalo, Bauru encerrou o Natal com um saldo de violência. Os dois crimes foram registrados na região do Parque Viaduto e resultaram na morte de dois homens por disparos de arma de fogo.

Na primeira ocorrência, o pintor Adriano Pereira, 39 anos, foi assassinado a tiros na rua Roque Urias Batista. O crime teria sido passional, acredita a Polícia Civil. O suspeito está foragido e o motivo do crime teria sido o fato de a vítima ter trocado mensagens de celular com a esposa do autor.

De acordo com o boletim de ocorrência, Adriano, morador do Jardim Marilu, região da Vila Industrial, foi alvejado por disparos de arma de fogo quando estava na casa do irmão, por volta de 18h desta terça-feira, 24. A vítima morreu antes da chegada de equipes de resgate. A quantidade dos disparos e o calibre da arma utilizada no crime ainda não foram revelados pela polícia.

Ainda conforme o BO, o irmão chegou a perseguir o autor a pé, por algumas quadras, até que o suspeito entrou em uma caminhonete S-10 de cabine dupla e fugiu.

Mesmo não tendo anotado as placas, o modelo do carro contribuiu para a investigação da Polícia Civil, que descobriu, ainda na noite desta terça-feira, a identidade do homem.

A Polícia Civil detectou que as trocas de mensagens entre Adriano, o suspeito e a esposa dele levaram ao registro de dois boletins de ocorrência em 2019.

Detalhes do conteúdo destas mensagens não foram revelados. Ainda durante a noite, um investigador telefonou para o acusado e o homem disse que a polícia poderia “caçá-lo”, mas que não se apresentaria na delegacia. O caso segue sendo investigado.

SEGUNDO CRIME

A Polícia Civil de Bauru também apura as circunstâncias de um segundo homicídio.

O corpo de William dos Santos Campos, 23 anos, foi encontrado com uma perfuração de arma de fogo por volta das 6h30 desta quarta-feira, 25, em área rural próxima ao Rio Batalha, nas imediações do Parque Viaduto, em uma extensão de terra da rua Bernardino de Campos que dá acesso à Chácara Boa Vista.

Segundo o delegado plantonista Fábio Mariotto, a vítima foi atingida por um único disparo no olho esquerdo e estava com pés e mãos amarrados com abraçadeiras de plástico. Morador do Jardim Tangarás, ele não tinha antecedentes criminais.

Familiares informaram à Polícia Civil que William saiu de casa dizendo que iria socorrer um amigo que havia ficado sem combustível no carro. A suspeita inicial, porém, é de que o homicídio tenha relação com o uso de entorpecentes.

Pouco tempo depois da localização do corpo, o veículo do rapaz foi encontrado incendiado na quadra 1 da rua Santo Garcia, no bairro Pousada da Esperança. A Delegacia de Investigações Gerais (DIG) presidirá o inquérito sobre o caso.

Fonte: JCNET

Foto: (Bruno Freitas/Divulgação)