Slider

Momento em que Adir Moralez Júnior é julgado no Fórum de Bariri: preso desde a época do crime – Divulgação

Adir Moralez Júnior, 37 anos, foi condenado a 14 anos de prisão em regime inicial fechado por ter matado a então companheira, Wanessa Benetasso, em março de 2015, em Bariri. Na época, ela tinha 31 anos e trabalhava como faxineira.
O julgamento foi realizado na quarta-feira, dia 17, na 1ª Vara Judicial de Bariri. Os jurados entenderam que o réu cometeu o crime de homicídio doloso, com intenção de matar.
Conforme o relato de testemunhas, Wanessa foi esfaqueada no abdômen pelo ex-marido, conhecido como Porquinho. A mulher deixou três filhos, sendo que dois eram filhos do acusado.
O crime ocorreu no dia 1º de março de 2015, às 4h40, numa praça localizada no cruzamento entre as Ruas Antonio de Queiroz e São Francisco, perto do cemitério municipal.
Segundo a denúncia, na ocasião o réu sentou-se ao lado de Wanessa e, por ela não concordar em retornar a vida em comum, sacou a faca que levava escondida sob as vetes, desferiu-lhe um primeiro golpe no peito, que a fez desfalecer.
Em seguida, disse a Silméria Aparecida Benetasso, irmã de Wanessa, que estava com eles sentada no mesmo banco, que faria o mesmo com ela caso interviesse. Depois, Moralez Júnior desferiu outros nove golpes com a faca na ex-companheira.
Em boletim de ocorrência registrado na época pela Polícia Militar (PM), a testemunha relatou que presenciou o crime, pois acompanhou a irmã até o local.
Outra testemunha revelou à PM que estava em sua residência quando ouviu Silméria gritando por socorro. Ao sair na rua, presenciou Moralez Júnior esfaqueando Vanessa. A vítima foi socorrida pela ambulância, levada à Santa Casa, e depois encaminhada à Santa Casa de Jaú, onde não resistiu aos ferimentos e morreu.
Os policiais receberam a informação de que o autor do homicídio estaria próximo ao antigo matadouro, onde foi localizado. Ele confessou o homicídio, foi preso em flagrante e encaminhado à cadeia pública da Barra Bonita. A faca de cozinha com lâmina de aproximadamente 19 centímetros, com cabo de madeira, foi apreendida.
O acusado já havia cumprido pena por roubo e na época do homicídio estava sendo investigado por tráfico de drogas. Wanessa já havia registrado no passado queixas contra ele por agressões.
Por esse motivo decidiu por um fim no casamento conturbado. No entanto, o acusado não teria aceitado a decisão. Além disso, desentendimentos pelo não pagamento de pensão alimentícia também estariam relacionados ao crime.
Desde que foi detido pela PM até o julgamento desta semana Moralez Júnior ficou preso. Ele poderá recorrer da decisão do júri, mas no momento continuará detido.