Slider

Benedito Antonio Franchini

Edcarlos Pereira dos Santos

Francisco Leandro Gonzalez

Ricardo Prearo

Com a participação de quatro vereadores, o Candeia finaliza nesta edição a entrevista com os nove eleitos para a legislatura 2021-2024 em Bariri. Desta vez, foram ouvidos os vereadores reeleitos ou que já atuaram na Câmara.

A exceção é Airton Luis Pegoraro (MDB) – que retorna à Câmara –, entrevistado na edição passada (dia 28) por ter sido o vereador mais votado.

Na entrevista a seguir, Benedito Antonio Franchini (PTB), Edcarlos Pereira dos Santos (PSDB), Francisco Leandro Gonzalez (Podemos) e Ricardo Prearo (PDT) falam da experiência adquirida no Legislativo e como isso pode contribuir para o município. Em geral, adotam discurso mais conciliador dentro da Casa.

Avaliam também o resultado das urnas e como estão as tratativas para eleição para a Mesa Diretora da Câmara, a qual deve ocorrer no dia 1º de janeiro.

Franchini é o vereador com mais tempo de Casa. Foi eleito pela primeira vez em 1996 e em janeiro irá exercer sua sétima legislatura seguida.

Prearo foi eleito pela primeira vez em 2009, sendo reeleito nos pleitos de 2012, de 2016 e agora de 2020. Exerceu a função de presidente da Câmara Municipal para os biênios 2011-2012 e agora para 2019-2020. Assume em janeiro sua quarta legislatura consecutiva.

Santos foi eleito vereador em 2008, atuando na legislatura 2009-2012. Agora retorna ao Legislativo. Gonzalez foi eleito pela primeira vez em 2016 e reeleito em 15 de novembro.

 

Candeia – Qual sua avaliação sobre o resultado das eleições para o Executivo e o Legislativo em Bariri? O que pesou na sua eleição?

 

Franchini – Essa eleição foi totalmente diferente das demais que participei. A pandemia do novo coronavírus fez com que até a forma de abordar o eleitor fosse alterada. Infelizmente não pudemos cumprimentar os cidadãos do jeito que gostaríamos, com abraços e apertos de mão, e ficou até difícil reconhecer alguns deles na rua por conta da máscara. Mas sabemos que essas restrições são extremamente importantes para controlarmos a pandemia e para, daqui a pouco, voltamos com a vida ao normal. Sobre o resultado em si, o eleitor optou pela mudança tanto no Executivo como no Legislativo, que renovou 2/3 de suas cadeiras. Sem contar que novamente tivemos um alto índice de abstenção. Quanto à questão de saber o que pesou na eleição, isso é muito difícil de responder, pois cada eleição tem sua peculiaridade. Nesse pleito em especial os eleitores optaram pela mudança e a vontade da maioria tem que ser respeitada.

 

Santos – As eleições em todo o Brasil mostraram que o eleitor está ficando cada vez mais criterioso. Os nove vereadores eleitos em Bariri são um exemplo, pois fizeram campanhas com defesa de pautas e com apresentação de propostas, e todas as candidaturas radicais e de extremo saíram perdendo, venceu a moderação. Com relação ao Executivo, foi uma disputa da experiência contra a promessa, venceu a promessa. Agora cabe ao prefeito Abelardinho cumprir suas promessas de campanha, pois foi isso que o levou à vitória, tendo em vista que ele nunca exerceu cargo político e não tem experiência na administração pública. Com relação a minha campanha, apesar de ter absorvido o desgaste político do grupo, o que é perfeitamente natural, o trabalho que desempenho há vários anos na comunidade me possibilitou ter uma boa votação, porém a cadeira é fruto de um trabalho coletivo e a chapa de vereadores do PSDB teve o maior número de votos nominais nestas eleições, o que me coloca na Câmara com a maior representatividade coletiva deste pleito.

Gonzalez – Em relação ao poder Executivo, acredito que os resultados dessas eleições indicam que a população gostaria que houvesse renovação, tanto que o prefeito em exercício não conseguiu ser reeleito. Em relação a minha reeleição, considero que foi um reconhecimento das ações que realizei durante o mandato 2017 a 2020. Dei voz à população de Bariri! Conforme as reivindicações dos munícipes e por meio de análise do cenário local, estudos e pesquisas que fazia, foi possível apresentar diversas proposições, ser autor de várias leis. Então, acredito que todo esse trabalho acabou me favorecendo, pois os munícipes perceberam que de fato batalhei pelo bem de Bariri.

 

Prearo – Meu ponto de vista sobre o resultado das eleições é que prevaleceu, para a maioria dos eleitores, a vontade de mudança. A minha eleição foi um reconhecimento do eleitor ao meu trabalho desenvolvido ao longo dos últimos anos. Trabalho este sempre pautado na responsabilidade e seriedade, colocando o interesse público acima de tudo.

 

Candeia – Que trabalho pretende desempenhar na Câmara Municipal a partir de janeiro?

 

Franchini – Pretendo desempenhar o meu mandato pautado nas leis que regem minha função, sempre buscando o melhor para nossa cidade. Continuarei atuando com prudência, coerência, responsabilidade e também terei maior independência visando aprovar os projetos de interesse público. Algo que preguei durante a campanha foi que, enquanto perdurar essa crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus, é importante termos representantes políticos com experiência. No meu caso, sou servidor público há mais de 44 anos e vou para o sétimo mandato na vereança. Quero aproveitar essa experiência com a máquina pública para ajudar Bariri a sair dessa crise ainda mais forte. Acredito também que nessa eleição testei meu limite, pois não é fácil ganhar sete eleições consecutivas, e eu consegui, graças a Deus. Aliás, quero aproveitar agradecer a todos os 536 eleitores que depositaram em mim o voto de confiança para que eu fosse eleito e dizer que serei vereador não somente deles, mas de toda a cidade.

 

Santos – A principal função do vereador é legislar e fiscalizar, e não apenas os atos do prefeito, mas os atos de todos os servidores públicos que trabalham no município, as prestadoras de serviço, as instituições e toda e qualquer entidade, pública ou privada no município, que receba recursos ou bens públicos e isso farei com zelo, além, claro, de buscar recursos para as instituições que prestam um trabalho digno ao povo baririense, como a Santa Casa e Casa Abrigo. Quero ainda levar um bom debate à tribuna da Câmara, trazendo à baila os assuntos mais relevantes dentro de nossa sociedade, e farei isso com nobreza e respeito aos meus pares.

 

Gonzalez – Ajudar a promover o desenvolvimento e o progresso do nosso município, de modo a proporcionar melhor qualidade de vida, expectativa e oportunidades para a população. Fiscalizar o Executivo, avaliar irregularidades nas contas públicas, tanto quanto o mau uso das verbas ou desvios, além de propor e aprovar leis que visam o bem estar e os interesses do povo.

 

Prearo – O trabalho continua, tanto na fiscalização, como na elaboração de leis e projetos, bem como ajudar nossa cidade na obtenção de recursos através de emendas parlamentares.

 

Candeia – Em comparação à atuação que já teve na Câmara, o que mudará e o que será mantido na próxima legislatura?

 

Franchini – Durante os mandatos anteriores, fui presidente da Comissão de Justiça e Redação. Nessa comissão, fui o presidente e relator, dando parecer técnico a todos os projetos que foram levados a discussão e votação no plenário. Ou seja, adquiri conhecimento em diversas matérias. O que manterei é a discussão de projetos em plenário, tanto do Executivo como Legislativo, pois essas discussões fazem com que os projetos sejam vistos de vários ângulos e aperfeiçoados quando necessário. Vejo como extremamente importante a harmonia e independência entre os poderes, uma característica de democracia e que ajuda no desenvolvimento dos municípios. Continuarei evitando discussões pessoais, pois entendo que não levam a nada. Também seguirei me atentando principalmente a questões ligadas ao interesse público, que é a nossa principal função enquanto vereador. Interesses partidários e pessoais precisam ficar fora da Câmara e da Prefeitura. No caso de mudanças, acredito que elas só ocorrem quando analisamos situações A ou B. Prefiro aguardar o início da próxima legislatura para, aí sim, pensar se vou ou não mudar algo no meu perfil de trabalho.

 

Santos – A experiência traz paciência e nos ensina a ouvir mais e falar no tempo certo a coisa certa, isso é o que muda, no restante pretendo ser tão produtivo, ou mais, com apresentação de novos projetos de lei, farei também atendimento do público nas dependências da Câmara, vou trabalhar com o apoio de vários líderes da comunidade e entidades representativas de classe, ou seja, meu farei um mandato participativo. O meu propósito principal é ser um pacificador, procurando sempre a harmonia dos trabalhos, mas serei combativo, quando a situação exigir.

 

Gonzalez – Continuarei trabalhando e estudando muito para levar o melhor à Câmara Municipal de Bariri, agindo com coerência e transparência, como sempre fiz, pautando minha conduta dentro da legalidade, da justiça, do interesse comum, com o olhar voltado para as necessidades da população, fazendo tudo o que estiver ao meu alcance.

 

Prearo – Minha atuação sempre estará pautada no interesse da coletividade. A cada início de novo mandato a vontade e a responsabilidade só aumentam e, certamente, vou honrar com muito trabalho, seriedade e responsabilidade os votos dos baririenses a mim confiados.

 

Candeia – Como andam as articulações para a eleição da Mesa Diretora da Câmara?

 

Franchini – Do momento que sucede a eleição municipal até o dia da eleição da Mesa Diretora, os vereadores se movimentam para formação de chapa visando a composição da mesa diretora para o próximo biênio. A tendência é que tenhamos duas chapas concorrendo. Eu, particularmente, vou compor com o grupo que mostre melhor alinhamento com minhas ideias para o próximo mandato e que esteja disposto a trabalhar em prol do município. Aliás, sempre agi desta maneira. Tenho que ter responsabilidade com aquilo que foi demonstrado nas urnas, já que ninguém conseguirá montar uma chapa pura, pois existem vereadores eleitos dos quatro grupos políticos que participaram da eleição. Evidentemente, sem uma boa articulação, ficará difícil montar a chapa para concorrer à mesa.

 

Santos – As articulações têm seguido a sua normalidade, com vários postulantes à presidência. Eu particularmente entendo que para o melhor funcionamento da Câmara e para os vereadores desempenharem suas funções com mais liberdade, é imprescindível ter um presidente que não alimente rixas políticas, colocando “o nós contra eles”, como eu já ouvi. Este é o tempo de somar e não dividir, levando isso em consideração, o novo presidente precisa ser experiente e transitar com facilidade nos vários espectros da política local, e um vereador com este perfil é o Ricardo Prearo.

 

Gonzalez – Findadas as eleições já iniciaram as movimentações para a Mesa Diretora da Câmara Municipal, o que é natural. Coloquei meu nome à disposição para Presidência da Casa, pois estudei, me capacitei e me aprimorei muito nesses quatros últimos anos, adquiri conhecimento e experiência. Estou preparado para assumir esse cargo de tamanha importância e responsabilidade.

 

Prearo – As articulações para a eleição da Mesa Diretora estão bem acirradas, pois há muitos vereadores com interesses e que pretendem se candidatar à Presidência. A experiência política adquirida ao longo dos anos, somada ao apoio de alguns colegas vereadores, fizeram com que eu me colocasse à disposição para compor a mesa Diretora da Câmara para o próximo biênio.