Composição 1_1
Composição 1_1

Rubens Pereira dos Santos

“Muitas vezes essa renovação veio a somar pontos negativos, pois é necessário haver um respeito por aqueles que trabalham há muitos anos por Bariri e nunca se envolveram em escândalos políticos”

O vereador Rubens Pereira dos Santos (PSDB) está finalizando sua gestão como presidente da Câmara de Bariri. Ele será sucedido por Ricardo Prearo (DEM) para o biênio 2019-2020. Rubens foi eleito para essa função assim que o prefeito Francisco Leoni Neto (PSDB) assumiu o governo municipal, em julho deste ano, numa espécie de mandato “tampão”. Ele diz que a renovação nem sempre é positiva e que é preciso ter respeito com políticos “ficha limpa”. Sobre o conturbado período político vivido por Bariri, comenta que foi passageiro e superado pelo trabalho. Conta que a sobra do duodécimo será destinada a entidades assistenciais do município. Rubens está em sua sexta legislatura como vereador. Entre 2009 e 2012 foi eleito vice-prefeito e assumiu a cadeira do Executivo por causa de afastamentos de Benedito Mazotti (PSDB) por decisões judiciais. “Agradeço ao jornal pela oportunidade de me expressar e mostrar à população que estou sempre presente e em constante auxílio aos Poderes Executivo e Legislativo, para que a nossa população tenha condições cada vez melhores no seu dia a dia. Por fim, desejo a todos um feliz natal e um ano novo próspero, de muito trabalho, saúde e, principalmente, com muita fé em Deus”, comenta o vereador.

Candeia – A Câmara de Bariri viveu recentemente um dos períodos mais conturbados de sua história, com quatro diferentes presidentes em dois anos. Qual sua análise sobre essa questão?

Rubens – Analiso que, embora conturbado, foi um período passageiro. Mas com muito trabalho, as coisas voltaram à normalidade.

Candeia – E qual sua análise em relação aos aspectos políticos em geral nesse mesmo período?

Rubens – De fato, foi conturbado do ponto de vista político com casos rumorosos e fatos gravíssimos e inéditos na história política local. Apesar disso, foi possível reverter a situação mesmo com toda a repercussão ocorrida nos meios de comunicação local, regional e nacional.

Candeia – Que balanço o senhor faz do período em que ficou à frente do Legislativo de Bariri?

Rubens – Faço um balanço positivo, pois a Câmara Municipal cumpriu com suas obrigações, inclusive conseguiu economizar para que se repassasse a sobra do duodécimo às entidades mais carentes de Bariri. Fico feliz de isso estar acontecendo, pois vamos favorecer quem mais necessita. Vale ressaltar que o prefeito Neto Leoni deu seu aval quanto à destinação dos referidos valores. Embora tenhamos feito muitos esforços para que as entidades recebessem valores iguais, estamos cientes que algumas precisam mais do que outras. É claro que o ideal seria ajudar todas a ponto de resolver totalmente seus problemas, porém sabemos que não é bem assim, já que ajudamos na medida do possível.

Candeia – Em algumas votações o senhor precisou dar Voto de Minerva. Esse tipo de situação gera preocupação adicional?

Rubens – Não, pois atuo na política há muitos anos, tendo acumulado uma boa experiência em situações decisivas. Vale ressaltar que sempre votei conforme o meu entendimento, sem levar em conta as questões políticas.

Candeia – O que espera da Câmara nos próximos dois anos, quando a Casa será presidida por Ricardo Prearo?

Rubens – Conheço muito bem o vereador Ricardo Prearo, sei de sua capacidade, pois também já foi presidente desta Casa. Tenho certeza que a Câmara estará em boas mãos, já que seu conhecimento fará com que administre de forma amigável as diferenças políticas existentes entre os vereadores.

Candeia – O senhor elegeu-se vereador pela primeira vez em 1988 para a legislatura 1989-1992. Com exceção de uma legislatura, o senhor exerce o cargo até os dias atuais. Que mudanças o senhor observa na Câmara e na política local nesse período?

Rubens – Os anos passam, as pessoas passam e eu continuo. Falo isso porque, na verdade, eu sou um dos vereadores que, sem almejar passos mais longos na política, consegui ser prefeito, vice-prefeito, presidente da Câmara por três mandatos e participei, por diversas vezes, da Mesa da Câmara. Nem por isso deixei de exercer minha função de enfermeiro e professor, sempre buscando ajudar a população baririense. Acompanho a política desde 1988 e vejo grandes mudanças, por vezes boas, por vezes ruins, mas o que é bom nisso tudo, é que acompanho o desenvolvimento de nossa cidade. Sou o vereador mais longevo, não de idade, e sim de atuação na política, sempre com o mesmo vigor, como se fosse a primeira legislatura. Fala-se em renovação da Câmara, mas muitas vezes essa renovação veio a somar pontos negativos, pois é necessário haver um respeito por aqueles que trabalham há muitos anos por Bariri e nunca se envolveram em escândalos políticos. É o meu caso e de outros colegas que estão na atual vereança.

Candeia – Profissionalmente ligado à saúde, o senhor considerou a intervenção da Santa Casa a melhor alternativa? Acredita que seja possível recuperar financeiramente o hospital?

Rubens – Sim, pois tem um ditado que se diz que em time que está ganhando não se mexe, o que não foi o caso da Santa Casa. Acredito muito na capacidade dos novos diretores e acredito também que, a partir do momento em que assumiram, estão preocupados e procurando recursos que venham ao encontro das necessidades de nossa Santa Casa. A certeza é que todos devem dar sua contribuição para que a nossa Santa Casa não venha a fechar as portas. É um trabalho bastante minucioso, porém com a colaboração de todos, com certeza teremos e ficaremos com ela de portas abertas. Embora os governos federal e estadual façam sua parte, temos que buscar outras soluções, pois o montante repassado não é suficiente para que a Santa Casa faça todo o atendimento necessário. Quanto à questão financeira, deveremos propor aos governos que as verbas repassadas sejam revistas e que tenham uma resposta breve, pois só com a ajuda do governo municipal não é possível que se faça grandes obras e melhorias. Apesar de todas as dificuldades, temos uma população que não pode ficar desamparada. Além disso, prestamos socorro às cidades de Itaju e Boraceia.