Slider

Francisco Leoni Neto

“O cenário nacional é de recessão econômica, desemprego, falta de recursos, tudo isso aliado a um curto espaço de tempo para governar”

Há um ano e meio exercendo seu terceiro mandato como prefeito de Bariri, Francisco Leoni Neto (PSDB) é o entrevistado da semana do Candeia na última edição de 2019. A ideia é fazer um balaço do ano e as projeções para 2020. O tucano afirma que o cenário recessivo nacional aliado ao pouco tempo para governar exige a tomada de medidas amargas, mas necessárias. Sobre os gastos com folha acima do limite prudencial, o prefeito ressalta que houve redução de cargos em comissão, diminuição com o pagamento de horas extras e ausência de abertura de concursos públicos. Neto Leoni é advogado e foi prefeito de 2001 a 2004, sendo reeleito para o período de 2005 a 2008. Após a realização de eleições suplementares em junho do ano passado, ele assumiu a prefeitura novamente no começo de julho de 2018.

Candeia – Que avaliação o senhor faz da administração municipal em 2019?
Neto Leoni – Muito positiva! Isso porque administrar em tempos de crise não é fácil, mas mesmo assim muitos avanços e conquistas já aconteceram. O cenário nacional é de recessão econômica, desemprego, falta de recursos, tudo isso aliado a um curto espaço de tempo para governar. Não fossem tais fatos estaríamos num estágio bem melhor.

Candeia – Quais ações, projetos e investimentos a população pode esperar da prefeitura em 2020?
Neto Leoni – Manutenção do mesmo sistema de ensino de alta qualidade que foi implantado este ano; continuação da renovação da frota de ambulâncias e investimentos fortes na aquisição de medicamentos e exames para atendimento da saúde da população; amplo programa de recape asfáltico e melhoramentos urbanos; programa habitacional; entre outras ações que já estão programadas.

Candeia – Haverá dificuldade adicional com recursos no ano que vem por ser um ano eleitoral?
Neto Leoni – Todo ano eleitoral é complicado em razão dos impedimentos legais, portanto, vamos agilizar ao máximo as obras e ações logo no início do ano. Já conquistamos vários convênios de valores significativos em prol do Município, graças ao nosso excelente relacionamento político.

Candeia – Por que neste ano pouco avançou o recebimento de recursos junto aos governos estadual e federal?
Neto Leoni – Porque existe um trâmite obrigatório a ser seguido que demora demais e porque tanto o governo federal como o estadual contingenciaram recursos, atrasando os repasses. Da nossa parte não houve atraso, pois logo em fevereiro já estávamos anunciando verbas, mas que dependiam da liberação das outras esferas de governo.

Candeia – Até outubro a arrecadação da prefeitura estava abaixo do previsto. Além disso, as despesas superavam as receitas. Como fechar o ano com as contas no azul?
Neto Leoni – Pois é, mesmo assim fechamos o ano a contento. Salários em dia e obrigações sendo cumpridos com responsabilidade, o que já se tornou nossa marca. Austeridade administrativa é necessária nesses casos, mesmo nos causando um desgaste político. Mas é o que tem que ser feito, para não comprometer o futuro. Não adianta querer “fazer bonito” e não ter responsabilidade.

Candeia – A prefeitura ultrapassou o limite prudencial neste ano com a folha de pagamento. Que medidas precisam ser adotadas agora e no futuro para que haja redução do montante destinado ao pagamento dos servidores?
Neto Leoni – Encontramos essa situação e temos tomado medidas amargas, mas necessárias, para solucionar essa questão. Reduzimos cargos em comissão, diminuímos pagamentos de horas extras, não fizemos concursos para novas contratações, são alguns exemplos.

Candeia – Uma preocupação da população é com o futuro da Santa Casa. O senhor acredita que é possível manter o hospital em funcionamento?
Neto Leoni – Essa preocupação é minha também, aliás, uma das maiores. Decretamos a intervenção justamente para salvar a Santa Casa e tenho convicção que vamos mantê-la aberta. Mas para isso é essencial que a Justiça separe a dívida antiga, que é enorme e impagável no momento. Uma verdadeira herança maldita.

Candeia – Recentemente houve rompimento da vice Maria Pia e do vereador Evandro Folieni com o seu governo. Como o senhor analisa essa questão?
Neto Leoni – Nenhum rompimento partiu de mim. Nosso trabalho é sério e intenso, visa o interesse público e não o pessoal. Somos abertos e damos oportunidade a todos que querem trabalhar conosco e nos ajudar. Cada um fica à vontade para escolher o seu caminho. Uns vão, outros vêm, mas o importante é honrar nossos compromissos, ter coerência nas atitudes e consciência tranquila.