Slider

Evandro Antonio Folieni

 

“Essa medida vai ser tomada sim por haver uma dívida na Santa Casa de Jaú no valor R$ 290.000,00”

 

O vereador Evandro Antonio Folieni (PSDB), que exerce seu primeiro mandado no Legislativo, em várias sessões camarárias manifestou descontentamento com o grupo pelo qual foi eleito. Até o fim deste mês ele deve deixar o partido e filiar-se em nova legenda. Segundo ele, o rompimento com o governo do prefeito Francisco Leoni Neto (PSDB) ocorreu por falta de transparência e de cobrança e porque o gestor estaria ouvindo apenas duas pessoas da administração municipal. Com o afastamento de Folieni, a oposição ganhou um aliado para ter maioria na votação ou reprovação de projetos. De acordo com o vereador, está mantido o posicionamento dos vereadores em barrar propostas encaminhadas pela prefeitura como represália pelo não pagamento de uma conta junto à Santa Casa de Jaú por serviços prestados no governo do então prefeito Paulo Araujo. No entanto, segundo ele, algumas propostas são importantes para a geração de empregos na cidade.

 

Candeia – Por que o senhor decidiu afastar-se do grupo político do prefeito Neto Leoni?

Folieni – Eu fui o que mais me empenhei na campanha do Neto e Maria Pia por acreditar atender melhor nossa população que ele tinha experiência de dois mandatos. Ele sempre me falava que seria mais fácil governar por conhecer os “caminhos das pedras” e proximidade com o governador. Faltou transparência em alguns assuntos, não cobrava seus diretores quando eu fiscalizava alguns setores. Havia muitas brincadeiras, piadas e o prefeito sempre ouvia só duas pessoas, que de certa forma tiveram influência sobre ele em muitas atitudes. Tenho muito respeito com meus nobres colegas vereadores do grupo do qual fiz parte.

 

Candeia – Sua permanência no PSDB é considerada remota. Já decidiu em que partido político irá se filiar e quando tomará essa decisão?

Folieni – Sim, fui convidado por dois partidos e já tomei minha decisão. A janela para transferência para outro partido vai até quatro de abril, mas até final de março estarei em outro partido, mas sempre continuarei lutando em benefício da população.

 

Candeia – Na sessão de 2 de março os vereadores da oposição, incluindo o senhor, manifestaram interesse em barrar projetos de iniciativa do Executivo? Qual a razão dessa medida?

Folieni – Essa medida vai ser tomada sim por haver uma dívida na Santa Casa de Jaú no valor R$ 290.000,00. O Executivo não tem interesse em pagar, dificultando as transferências de pacientes para lá, não pensando em nossos munícipes que precisam de saúde pública e também por melhorias da nossa Santa Casa de Bariri.

 

Candeia – Na mesma sessão o senhor votou favorável a alguns projetos, contrariando os colegas da oposição. Por quê?

Folieni – Respeito os nobres colegas pelas suas posições, mas era um projeto homenageando pessoas queridas de Bariri que fizeram história em nossa cidade e merecem o reconhecimento.

 

Candeia – Nas próximas sessões haverá projetos importantes a serem votados, como a alteração no prazo para entrega da escritura de empresas que estão se instalando no Polo Industrial e implantação do Sistema Brasileiro de Inspeção (Sisbi)? Que posicionamento pretende adotar e relação a essas propostas? Voltou a conversar com os vereadores da oposição a respeito do posicionamento do grupo?

Folieni – Quanto à alteração do prazo de entrega das escrituras para cinco anos é um projeto polêmico, mas vai gerar mais de 600 empregos para nossa cidade que está passando por uma fase difícil, embora tenha parecer desfavorável da procuradoria do município. Por outro lado vai aquecer a economia de nossa cidade, melhorando a vida de muitas famílias. Sobre o Sisbi há mais de um ano eu e a vice-prefeita Maria Pia estávamos acompanhando a proposta de implantação apresentada pelo setor competente do município, na ocasião dependia apenas da contrapartida do Executivo que seriam exigências mínimas para implementação, alguma delas como automóvel, computador, médico veterinário responsável, sala própria, entre outras. Porém, na ocasião não houve interesse por parte da administração municipal para colocar em prática o programa alegando dificuldades financeiras.

 

Candeia – O senhor foi um dos autores de projeto para que as sessões da Câmara tenham início às 19h? Qual o objetivo da alteração?

Folieni – O objetivo é que todos os vereadores possam falar a respeito de diversos assuntos de nossa cidade e para que nossos munícipes possam usar a tribuna para falar de ações que ajudam e contribuem para o bem-estar de nossa comunidade

 

Candeia – Em sua opinião, qual o desafio dos representantes do Executivo e da Câmara a partir da próxima legislatura, que se inicia em janeiro de 2021?

Folieni – No Executivo o desafio é o desenvolvimento na geração de emprego viabilizando trazer novas indústrias; na saúde deve melhorar o atendimento e aumentar as especialidades medicas, como pediatras, neurologistas, vascular. Buscar recursos para moradias, porém, para que realmente os resultados aconteçam é necessário que se pare de misturar política com gestão. No Legislativo, fiscalizar atos e atitudes do Executivo, elaborar projetos de lei para melhoria do município, buscar recursos nas esferas estadual e federal.