Slider

Ana Laura Fanton Bastazini de Santis“Peço que façam uma doação e colaborem com essa causa, para que um trabalho tão rico de desenvolvimento humano e de protagonismo juvenil que é desenvolvido na OSC continue com a qualidade que nossos jovens merecem”

 

Devido às dificuldades financeiras impostas pela pandemia do novo coronavírus, o Centro de Promoção Social (CPS) de Bariri lançou recentemente a campanha #Coraçãonocentro. O objetivo é que aquelas pessoas que passaram pela entidade – aprendizes (antigos engraxates, mirins), funcionários, voluntários e até mesmo membros da diretoria – ajudem a contribuir mensalmente com algum valor. A gestora do CPS, a baririense Ana Laura Fanton Bastazini de Santis, 30 anos, fala sobre a iniciativa e o atual momento enfrentado pela organização. Ela é formada em psicologia pela Universidade Paulista no ano de 2012, com pós em andamento em psicopedagogia e gestão de pessoas. Ana Laura está na entidade desde 2013, como voluntária na área de psicologia em atendimentos com os usuários e familiares no Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos “Construir”. No final de 2013 foi contratada e auxiliava na coordenação do serviço. Em janeiro de 2017, ela assumiu a gestão da entidade.

 

Candeia – Qual a atual situação financeira do CPS diante da pandemia do novo coronavírus?

Ana Laura – Atualmente, o CPS passa por grandes dificuldades financeiras, que foram de uma maneira ou outra impactadas pela pandemia do novo coronavírus. Uma das fontes de renda da entidade sempre foram as parcerias com as empresas através do Programa de Aprendizagem Profissional “Aprendiz CPS”, com a taxa administrativa repassadas por elas. Essa taxa administrativa nada mais é do que um pagamento de profissionais qualificados para gerir o programa de aprendizagem e para que o aprendiz faça os cursos estabelecidos pelo Ministério de Trabalho e Emprego. As empresas transferem para o CPS os encargos e salários dos jovens, que são repassados integralmente a eles e também essa taxa administrativa para gerenciamento do programa. Com a pandemia, tivemos uma drástica diminuição desta taxa, pois algumas empresas conveniadas com a entidade diminuíram seu quadro de funcionários com carteira assinada, diminuindo assim, a cota de aprendiz.

 

Candeia – O que mais repercutiu negativamente na entidade?

Ana Laura – Outra questão que impactou diretamente na situação financeira foram os projetos que anos anteriores foram aprovados e este ano, infelizmente, não conseguimos. Hoje temos parceria com a Prefeitura Municipal de Bariri, através de subvenção, que financia parte do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos “Construir” e a finalização do projeto “Aprendizagem Cidadã II”, financiado pelo Condeca (Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente), com aproximadamente faltando três meses para o término. Esse projeto foi paralisado no inicio de 2020 por conta da pandemia, foram feitas as adequações necessárias no plano de trabalho para realização das atividades remotas e estamos aguardando deliberação do mesmo. O que agrava ainda mais nossa situação é que, devido à fase mais restritiva do Plano São Paulo, não estamos conseguindo fazer eventos, como fazíamos anteriormente como a venda das pizzas.

 

Candeia – De que forma a comunidade pode contribuir com a entidade?

Ana Laura – Nós iniciamos uma campanha na semana passada que se chama #Coraçãonocentro, com intuito de sensibilizar a comunidade baririense pedindo para que aquelas pessoas que passaram pelo CPS, desde aprendizes (antigos engraxates, mirins), funcionários, voluntários e até mesmo membros da diretoria, nos ajudem a contribuir mensalmente com algum valor. Em nome de toda a equipe, peço que façam uma doação e colaborem com essa causa, para que um trabalho tão rico de desenvolvimento humano e de protagonismo juvenil que é desenvolvido na OSC continue com a qualidade que nossos jovens merecem. Para fazer a doação no Banco do Brasil: Agência: 0198-8, Conta poupança: 3386-3 – variação 51, CNPJ: 46162673/0001-49, Chave Pix nº: 46162673/0001-49. Para mais informações, é só ligar ou mandar um WhatsApp pelos telefones: (14) 3662-1824 ou (14) 9-8174-0378.

 

Candeia – Por causa da pandemia, houve diminuição de jovens contratados como aprendizes ou alterações nos contratos de trabalho?

Ana Laura – Sim, com a pandemia muitas empresas diminuíram seu quadro de funcionários e consequentemente diminuíram a cota de aprendizes ao término do contrato de aprendizagem. Esta diminuição de aprendizes se comprova em números: no final do ano de 2019, encerramos com 97 jovens trabalhando, em 2020, encerramos com 70 e atualmente estamos com 47 aprendizes. Infelizmente uma grande decadência, visto que grande parte da taxa administrativa que as empresas repassam é revertida na folha de pagamento de funcionários e demais custos administrativos. Quanto menor o número de aprendiz trabalhando menor o valor de arrecadação da taxa administrativa. Com relação a alterações de contratos no ano passado, através da Medida Provisória nº 936, de 1º de abril de 2020, foi possível para as empresas suspenderem/reduzirem o contrato de trabalho. Assim sendo, muitas delas o fizeram. O contrato de trabalho do aprendiz que é firmado por tempo determinado, com a medida, foi prorrogado pelo tempo igual a suspensão/redução data pela empresa. No Centro de Promoção Social, também foi realizado suspensão/redução de vários colaboradores.

 

Candeia – Quais parcerias o CPS mantém com as empresas da cidade?

Ana Laura – As parcerias advêm da cota de aprendizagem firmada com as empresas que precisam cumprir. Elas entram em contato com a Assistente Social da OSC e é firmada a parceria através de termo de convênio. Vale lembrar que as empresas que tiverem interesse na contratação de aprendizes entrem em contato com a OSC para mais informações pertinentes ao programa de aprendizagem profissional.

 

Candeia – O CPS tem conseguido realizar os projetos junto a adolescentes e jovens? Eles são presenciais, remotos ou híbridos?

Ana Laura – Sim, a maioria dos nossos serviços e programas estão online. O primeiro serviço que a entidade executa é o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos “Construir”, destinado a crianças e adolescentes do sexo masculino do 6º ao 8º ano do ensino fundamental. Com a paralisação das atividades presenciais, os educadores e orientadores estão desenvolvendo atividades online. Essas atividades são enviadas no grupo através do WhatsApp e após o envio posteriormente eles retornam com fotos das atividades realizadas. Quinzenalmente, os usuários vão até a OSC para retirar um Kit para que possam fazer as atividades online em suas residências. O próximo Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos “Arte de Conviver”, destinado aos jovens do 9º ano do ensino fundamental, vem sendo trabalhado com temas com os usuários e seus familiares, como a autoestima, confiança, responsabilidade, orientações sobre temas pertinentes, motivação, fortalecimento da convivência familiar, entre outros. Todos esses controles, tanto no Serviço Construir como no Serviço Arte de Conviver são realizados pelas coordenadoras dos serviços juntamente com a Assistente Social, que em alguns casos necessitam de intervenção.

 

Candeia – E como está a aprendizagem profissional?

Ana Laura – O único programa que não está funcionando atualmente é o Programa de Aprendizagem Profissional em sua 1ª fase, o IMT (Ingressando no Mercado de Trabalho), pois dele depende da verba do Condeca, sendo que o projeto foi paralisado por conta da pandemia. Já foram feitas as alterações no plano de trabalho e um novo termo de aditamento já está em andamento para continuidade do mesmo. O Programa de Aprendizagem Profissional em sua 2ª fase “Aprendiz CPS”, que são os adolescentes inseridos no mercado de trabalho, está de maneira presencial com as atividades práticas (nas empresas) e online nas atividades teóricas (que são atividades realizadas na entidade). Estes fazem suas atividades no horário de curso (horário que os aprendizes são dispensados das empresas para cumprir a carga horária teórica na entidade) e encaminham para os facilitadores. Todas essas realizações em consonância com o Ministério do Trabalho e Emprego.

 

Candeia – Devido à pandemia, como o CPS tem mantido o atendimento a quem procura a entidade?

Ana Laura – A maioria dos atendimentos, desde o inicio da pandemia, está sendo realizada com agendamento prévio. Neste ano, quando a região voltou para a fase mais restritiva do Plano São Paulo, a OSC estava com inscrições abertas para os Serviços “Construir” e “Arte de Conviver”. Devido a continuarmos nessa fase, ainda não foi possível sua realização. Adiamos até o momento as inscrições e assim que possível divulgaremos novas datas nos meios de comunicação. Gostaria de agradecer, em nome de todos os funcionários e membros da diretoria, pela oportunidade e espaço dado para a divulgação de nossos serviços/programas e nossa atual situação. Sabemos que todos estão vivendo um momento muito delicado, mas pedimos que nos ajudem com qualquer valor mensalmente. Com certeza irá fazer toda a diferença. Para mais informações referentes à doção ou querer saber como funciona um de nossos serviços é só entrar em contato pelos telefones (14) 3662-1824 ou (14) 9-8174-0378 ou através do nosso facebook (facebook.com/cpsbariri).

 

Saiba mais sobre o CPS

 

O Centro de Promoção Social (CPS) é uma Organização da Sociedade Civil sem fins lucrativos, fundada em 1970, que tem como objetivo possibilitar o desenvolvimento da convivência, autonomia e cidadania de crianças e adolescentes da faixa etária de 10 a 19 anos e 11 meses, por meio de serviços e programas, respaldados pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, atendendo aproximadamente 340 crianças e adolescentes rotativamente no ano.

A OSC oferece no município de Bariri serviços socioassistenciais de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, na área da proteção social básica, de acordo com a Política Nacional de Assistência Social e a Tipificação Nacional dos Serviços Socioasssitenciais, e o Programa de Aprendizagem Profissional respaldado pela lei da Aprendizagem Profissional.