Composição 1_1

“Temos vereadores bastante atuantes, como consequência, muitos projetos, requerimentos, moções e indicações foram apresentados” (Alcir Zago/Candeia)

“Temos vereadores bastante atuantes, como consequência, muitos projetos, requerimentos, moções e indicações foram apresentados”

A presidência da Câmara de Bariri em 2024 ficou a cargo do vereador Airton Luis Pegoraro (MDB). Nesse período foram apresentados dois pedidos de Comissão Processante contra o prefeito, sendo que o segundo deles resultou na cassação do mandato de Abelardo Maurício Martins Simões Filho (MDB). Para Airton, o Legislativo atuou com maturidade, apesar das pressões sofridas. Avalia também que 2023 foi de muito trabalho no Legislativo e que o próximo ano (eleitoral) deve ser mais calmo. Em relação ao novo prefeito (Luis Fernando Foloni – MDB), o presidente da Câmara diz que é uma pessoa acessível e que procura ouvir as pessoas. Cita o problema financeiro da prefeitura e do Serviço de Água e Esgoto do Município de Bariri (Saemba) como o mais urgente a ser resolvido.

Candeia – Como o senhor avalia os trabalhos da Câmara em 2023, primeiro ano de sua presidência?
Airton – Foi um ano de muito trabalho, temos vereadores bastante atuantes, como consequência, muitos projetos, requerimentos, moções e indicações foram apresentados. Somados com o que foi encaminhado pelo Executivo, foram 313 matérias apresentadas, discutidas e votadas, além de uma Comissão de Assuntos Relevantes para investigar o acidente do servidor do Saemba e uma Comissão Processante que culminou com a cassação do prefeito municipal.

Candeia – De que forma pretende conduzir as atividades em 2024, considerando que é um ano eleitoral?
Airton – De forma tranquila. Considerando que 2023 foi um ano bastante turbulento para a política baririense, acredito que mesmo sendo um ano eleitoral 2024 deve ser mais calmo.

Candeia – Na sua gestão, foram feitos dois pedidos de Comissão Processante, um arquivado e outro que resultou na cassação do prefeito. Qual sua avaliação sobre essa situação enfrentada pelo Legislativo?
Airton – Foram situações críticas, em especial a segunda que resultou na cassação do prefeito. Foi um período de muita pressão sobre os vereadores, que reagiram, de uma forma geral com muita maturidade, cumprindo com dignidade o seu papel de representante do povo.

Candeia – Por mais variados fatores, desde 2009, um prefeito não termina o mandato em Bariri. Quais os prejuízos políticos e administrativos para o município?
Airton – Quando o prefeito tem projetos a médio e longo prazo, que seria o correto, os mesmos acabam sendo interrompidos, prejudicando toda a cidade de uma forma geral. Situação diferente de quando não existem projetos ou planejamento. Aí pouco muda, ruim está, ruim continua.

Candeia – Qual sua expectativa com o governo de Fernando Foloni? O que considera mais urgente no município na atualidade?
Airton – O Fernando é uma pessoa acessível, procura ouvir as pessoas, com isso as chances de errar são menores. O que é mais urgente é a situação financeira, não só da prefeitura, como da autarquia Saemba.

Candeia – A situação financeira do município tem preocupado?
Airton – Sim. O sinal de alerta foi dado pelo vereador Ditinho há quase seis meses. De lá para cá a situação se agravou, atraso de fornecedores e prestadores de serviço se tornaram uma constante.

Candeia – Como a Câmara pode contribuir com a resolução dos problemas de Bariri?
Airton – Com ideias, sugestões, conseguindo recursos com deputados e principalmente fiscalizando o uso do dinheiro público para que ele seja bem utilizado, de forma eficiente, para que ele possa reverter em benefício aos munícipes, e não tenha como destino o bolso de alguns.

Candeia – O senhor definiu se pretende continuar no MDB ou mudar de legenda em 2024? Que cargo pretende disputar no ano que vem?
Airton – Pretendo definir estas questões no ano que vem.