Composição 1_1

Bomba de combustível de posto de Bariri: no ano passado foram consumidos 8,7 milhões de litros de etanol e 5,6 milhões de litros de gasolina (Alcir Zago/Candeia)

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística publica constantemente o Anuário de Energéticos por Município do Estado de São Paulo. Há informações sobre o consumo de energia elétrica e também de combustíveis.
O relatório deste ano tem como data-base o ano de 2022. No comparativo com 2021, em Bariri houve aumento no consumo de óleo diesel (1,8%) e de gasolina automotiva (1,2%). A maior alta foi no gás de cozinha, superior a 23%.
Já o etanol sofreu queda de 3,5% no consumo nesse período. Considerando que hoje a maioria dos motores dos veículos é flex, quem abastece nos postos de Bariri ainda prefere o combustível feito da cana-de-açúcar.
No ano passado o consumo de etanol foi de 8,749 milhões de litros, contra 5,645 milhões de litros de gasolina.

Brasil e São Paulo

De acordo com reportagem da Revista Nova Cana, o consumo de etanol hidratado no Brasil caiu 7,5%. Em 2022, os motoristas demandaram 15,53 bilhões de litros do biocombustível, contra 16,79 bilhões de litros em 2021.
No período, o preço do etanol passou por altas e baixas. Em junho, o biocombustível até voltou a custar menos do que 70% do valor da gasolina, faixa em que é considerado economicamente vantajoso para os consumidores. Algumas semanas depois, entretanto, ultrapassou novamente o limite e passou o resto do ano acima desta média.
Assim, os motoristas deram preferência para a gasolina ao abastecerem seus veículos. Em 2022, foram consumidos 43,04 bilhões de litros do combustível fóssil, aumento de 9,5% em relação aos 39,32 bilhões de litros do ano anterior.
Segundo a publicação, São Paulo, maior produtor e consumidor de etanol do país, também registrou uma queda de 4,9% no abastecimento do biocombustível.
No período, o estado demandou 8,06 bilhões de litros do renovável, contra 8,48 bilhões em 2021. O consumo de gasolina, por sua vez, apresentou acréscimo de 13,1%, alcançando os 10 bilhões de litros.

Fonte: Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística