Composição 1_1
Composição 1_1

Valderez de Mello | Cadeira 01 da ABLA | PATRONO: Historiador João Baptista de Mell  (Foto Divulgação)

ACADEMA BARIRIENSE DE LETRAS E ARTES (ABLA), fundada em 11 de junho de 2002, declarada de utilidade pública pela Lei Municipal 3.494 de 6 de outubro de 2005, caminhou por duas décadas de mãos dadas com a cultura a registrar a história de Bariri. Incentivou as letras, as artes, resgatou heróis baririenses através do Projeto Saudade, enfim, agasalhou o deambular da história. Enalteceu datas e cidadãos importantes que se encontravam no esquecimento, enfim, valorizou o desenvolvimento cultural e artístico. Destacou e registrou capítulos históricos para que não restassem adormecidos!
Todos sabemos, como cidadãos amantes da terra natal, que somente cultura e educação formam as pilastras de sustentação para a formação de população capacitada para exercer a verdadeira cidadania com nobreza de caráter e civismo. Educação de qualidade e cultura são elos inseparáveis que alavancam o crescimento, desenvolvimento e riqueza cultural de uma cidade, de um estado, de uma nação.
A verdadeira cultura é a que prima pela transição entre a história que remete ao passado e a realidade do presente, a fusão entre o antigo e o novo, enfim, elos de vida que se entrelaçam a formar a grande corrente da herança cultural. A verdadeira cultura não separa raças, credos e ideologias. O processo cultural abraça e aconchega, une e enlaça povos, usos e costumes. Iguala e não compara. A herança cultural prima em registrar a história, através da preservação de monumentos, construções, igrejas, santuários, livros, fotografias, filmes, documentos, bibliotecas, enfim, tudo que prove a veracidade dos fatos, há que ser preservado para marcar o deambular da história de um povo, de uma nação, de uma cidade, resguardando seus valores, seus heróis, seus artistas, enfim, seus guardiões. E como se realiza tão lindo trabalho em registrar e divulgar nossa terra e nossa gente? Tudo se torna realidade quando a cidade tem a honra em acolher uma entidade cultural vintenária, devidamente legalizada e atuante. E Bariri, orgulhosamente, agasalha essa entidade cultural ao longo de mais de vinte anos: ABLA!
E, infelizmente, a ABLA resta tristemente esquecida perante a população! Acadêmicos que tomaram posse, ocuparam as cadeiras e silenciaram! Sim, muitos acadêmicos abandonaram a entidade como se nada significasse, o que demonstra falta de comprometimento perante a entidade e seu estatuto, entidade da qual ocupam uma cadeira. Fato triste e difícil de entender pois, todos maior de idade, ótimos profissionais, cidadãos baririenses, inteligentes e cultos. A que devemos esse abandono?
Infelizmente administrar uma entidade cultural é deveras difícil quando seus membros não se unem e sequer se reúnem, a demonstrar desinteresse total pela entidade da qual fazem parte. Urge despertar os acadêmicos que ainda sentem interesse pela ABLA!
A ABLA precisa ser recuperada por elementos interessados na cultura, nas letras e na história da cidade. O abandono da entidade por alguns de seus membros significa desamor pela cidade, pois não é a entidade ABLA, pessoa jurídica, que nada faz, mas sim os membros que não atuam por falta de comprometimento. À Academia Baririense de Letras e Artes, cabe realizar a transmissão e o registro documental da herança cultural de nossa terra e nossa gente de forma primorosa, através de eventos culturais organizados pelos senhores acadêmicos!
Quando se abandona uma ACADEMIA DE LETRAS E ARTES, com vinte e dois anos de atividades culturais, demonstrado está que a história restará sepultada na vala rasa da inércia cultural, sob o olhar de quem poderia e deveria realizar o resgate: os acadêmicos que, através de ato público e solene receberam o diploma de membro efetivo, passaram a ocupar uma das 40 cadeiras após assinatura do termo de posse!