posto-santa-lucia-novo-2017
Banner-Lista-Candeia
Banner-online
WhatsApp Image 2020-07-06 at 08.28.31
Banner-Cep

Robertinho Coletta

Na noite de sexta-feira, 21, faleceu o empresário e radialista Orlando Belluzzo Neto, aos 57 anos no Hospital Amaral Carvalho de Jaú, onde estava internado após sofrer Acidente Vascular Cerebral (AVC) no último dia 13.

Em 2014, Neto foi diagnosticado câncer de esôfago. Após cirurgia, conviveu por dois anos sem a doença, mas em 2016 o problema reapareceu. Desde então vinha passando por sessões de quiomioterapia e radioterapia.

Neto deixa viúva Rosângela Aparecida Fernandes Belluzzo, com quem teve três filhos: Giovani, Bruno e Pietro, além da neta Isis e da nora Thaysa.

Ele foi velado na Câmara Municipal de Bariri na manhã de sábado, 22, e o sepultamento ocorreu logo em seguida, na Necrópole Municipal.

Durante todo dia, o comunicador recebeu várias homenagens, em manifestações realizadas através das redes sociais e meios de comunicação.

História

Orlando Belluzzo Neto foi o segundo filho de Orlando e Handumy. Único homem entre duas mulheres, herdou, além do nome do avô e do pai, também o gosto e o amor pelo rádio.

“Desde pequenino, já pegava colher de pau ou qualquer objeto semelhante e usava como microfone”, conta a irmã Silvana.

Neto cresceu dentro da emissora da família, a Rádio Cultura AM, aprendendo os macetes da profissão. Em 1980, iniciou a carreira de radialista.

Em 1989, ele e o pai conseguiram a concessão de mais uma emissora, a 91 FM. Além da locução, acumulou também a parte administrativa das emissoras. Em 2000, a Rádio Cultura completou 50 anos, e promoveu grande festa de Bodas de Ouro.

“Seu grande sonho também era reativar o cinema da família”, conta a irmã. Em 2002, Neto inaugurou o Cine Belluzzo, que permaneceu em atividade até 2015, sendo reinaugurado em 2018 com novos equipamentos digitais.

Belluzzo destacou-se pela voz e pela sociabilidade, característica que lhe rendeu marcante vida social no município. Participou efetivamente das atividades do clube Monte Cristo (o qual ajudou a fundar), e do Umuarama.

Como comunicador, Neto apresentou concursos, bailes, shows e participou da cobertura jornalística dos principais eventos da cidade.

“Intrépido, corajoso, não temia qualquer desafio que a vida lhe impôs”, finaliza Silvana.