Slider

Manancial São Luis é responsável pelo abastecimento de metade do município de Bariri – Divulgação

Dados do pluviômetro instalado na Della Coletta Bioenergia (DC Bio) mostram que as chuvas neste ano ficaram abaixo da média. Considerando o registro desde 1995, de janeiro a junho de 2021 as precipitações somaram 452,5 milímetros (mm). Apenas em 2014 choveu menos nos primeiros seis meses do ano (confira tabela).

O cenário de escassez hídrica que tem atingido recordes nos últimos meses deve continuar crítico neste ano. Mas, a partir de 2022, as chuvas devem voltar, e acima da média – graças ao El Niño – disse o CEO do Climatempo, Carlos Magno, em entrevista à Agência INFRA.

Segundo ele, a tendência para este ano é de manutenção de um volume baixo de chuvas, especialmente na região Centro-Sul – a chamada “caixa d’água” do país, e que tem sido a mais prejudicada com a estiagem desde o ano passado.

O país registrou a pior afluência dos últimos 91 anos para o período de setembro do ano passado a março, segundo o CMSE (Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico).

Diante desse contexto, Magno aponta que o volume de chuvas previsto para o ano ainda será insuficiente para recompor os reservatórios.

Mas o fenômeno El Niño deve se estabelecer a partir do próximo ano, revertendo o atual cenário para uma melhora de chuvas no país. Ainda assim, há incertezas sobre o volume dessas chuvas, conforme o especialista.

“Até o fim deste ano, devemos ficar num período de neutralidade. A tendência é o El Niño se estabelecer a partir de 2022. A intensidade dele é que ainda está sendo considerada uma intensidade fraca. Mas ainda é muito cedo para afirmar se ele vai se intensificar ou não”, salientou.

 

Abastecimento

 

Diante desse quadro de poucas chuvas, o Serviço de Água e Esgoto do Município de Bariri (Saemba) irá reduzir a oferta de água na cidade. O superintendente da autarquia, Eder Cassiola, pede a colaboração da população na economia de água.

“A seca é a maior em décadas e estamos presenciando rios secarem, poços perderem o volume e o manancial sem capacidade de regeneração”, constata Cassiola.

Bariri é abastecido hoje com 50% de água do Manancial São Luis, um conjunto de minas naturais que afloram e são canalizadas até a Estação de Tratamento de Água (ETA), onde, após tratamento, é bombeada para a cidade e para o reservatório localizado atrás do barracão da prefeitura.

As águas do manancial começam a ser bombeadas às 6h e param às 23h, todos os dias. Como a oferta de água no momento é menor, o Saemba irá desligar as bombas do manancial às 21h. A partir de amanhã (18) elas serão desligadas às 19h. O motivo é que após esse horário não tem mais água para captar.

A seca influencia diretamente o manancial, diferente dos poços profundos, como o Santa Helena, por exemplo, que demoram mais para sentir. Devido a essa situação, parte da população vai sentir mais o racionamento do manancial.

“Estamos trabalhando em várias frentes para enfrentar esta situação, mas todas elas demandam tempo e muito investimento, só que isso demora. Para diminuir a dependência do manancial, será necessário perfurar novos poços e restaurar três que perdemos (poço do final da Rua 7 de Setembro, do Tiro de Guerra e do Barracão da prefeitura)”, explica Cassiola.

A autarquia tentou viabilizar a perfuração de um poço no Jardim dos Ipês, mas a legislação não permite devido à proximidade com o cemitério. Para o mês que vem está prevista a perfuração de um novo poço na Rua 7 de Setembro, que visa atender o Jardim Bela Vista, Vila Americana, Parque dos Ipês e Jardim Maravilha.

A autarquia tem focado a atenção em todos os vazamentos que surgem, para que não seja desperdiçada água e aumentar a fiscalização de desperdícios.

O Saemba pede a colaboração da população na economia de água. “Economizar no banho, na hora de lavar a roupas, escovar os dentes e principalmente nas atividades domésticas”, cita o superintendente. “Pedimos que a atividade de lavar a calçada seja suspensa até que a situação se normalize. Todos sabemos que esse período seco causa muita sujeira, mas esta água que for usada para lavar a calçada, pode fazer falta para alguém”.

 

Chuvas em Bariri no primeiro semestre de 1995 a 2021

 

Ano         Janeiro      Fevereiro        Março        Abril         Maio     Junho       Total do período

1995        102            493                 211             47              73         19             945

1996        287            100                 119             84              56         28             674

1997        502            231                 54               60              113       226           1.186

1998        168            256                 266             97              98         8               893

1999        429            218                 49               112            85         96             989

2000        487            283                 248             5                10         13             1.046

2001        289            178                 192             47              70         40             816

2002        387            282                 133             19              104       0               925

2003        442            124,5              118             86              59         15             844,5

2004        231            289                 97               125            238       53             1.033

2005        419            143                 131             74              120       53             940

2006        263            156                 269             46              5           30             769

2007        393            151                 142             41              75,5      0               802,5

2008        243            228,5              144,5          125            58         43,5          842,5

2009        447,5         169,5              170             133,5         71         23,5          1.015

2010        329            162                 128             172,5         24         18             833,5

2011        359,5         229,5              296,5          112            4,5        35             1.037

2012        332            112                 54,5            144,5         77         204,5        924,5

2013        251,5         215                 184,5          77              168       102           998

2014        112,5         84                   111             35              80         7               429,5

2015        187            185,5              231             60              115,5    10             789

2016        376            125                 79,5            23              221       94,5          919

2017        421            42                   55               118            294       5,5            935,5

2018        200            128                 174,5          9                38         0               549,5

2019        202            235                 129             89              15         20             690

2020        211            292                 88               12              29         88             720

2021        158,5         115                 114             24              10         31             452,5

Fonte: Della Coletta Bioenergia