Slider

Moradores da região do Lago Municipal Prefeito Accácio Masson acionaram a reportagem do Candeia, reclamando de suposto atraso na construção de galeria de águas pluviais na Av. José Jorge Resegue, próximo à rotatória lá existente.

Segundo eles, as obras estão paradas desde quinta-feira da semana passada e grande quantidade de terra retirada para instalação de tubulação permanece no local. O vento e tempo seco tem levantado poeira, que vem sujando áreas externas e internas das residências. “Em pleno tempo de estiagem, com o Saemba solicitando economia de água, a gente é obrigada a lavar casa e quintal pelo menos três vezes na semana”, afirma uma moradora, que prefere não se identificar.

Ainda de acordo com o relato dos moradores, as placas que impedem e/ou desviam o trânsito de veículos no local não estão sendo respeitadas, o que aumenta o problema com a poeira.

 

Obras estão em andamento

 

Marcio Nascimento, diretor de Obras e Meio Ambiente nega que as obras estejam paradas. Segundo ele, “estão em andamento” com a construção de caixa subterrânea de concreto. Relata que “a equipe espera a ‘cura’ dela para subir com alvenaria até o topo e fazer um poço de visita”.

Afirma que grande parte das tubulações já foi instalada, seguindo para dentro da avenida. Ressalta que a empresa tem três meses para realizar a obra. “Domingo venceu o segundo mês. Eles têm mais um para acabar”, comenta Nascimento.

Havia expectativa da chegada esta semana de um lote de tubulações que estava faltando. “Daí, eles vão rasgar até a esquina, finalizar, e começam a fazer as caixas da esquina também”, detalha o diretor.

Finaliza reforçando que a obra não está parada, que os serviços atuais estão no subsolo e que a obra está dentro do prazo. “Lamento o transtorno aos moradores, mas tudo isto é necessário”, diz Márcio.

 

Não respeitam

 

Raul Bolini, responsável pelo Setor de Trânsito confirma que motoristas e/ou motociclistas estão desrespeitando a sinalização de tráfego impedido na Rua Rui Barboza e do desvio de direção na rotatória. “Alguns cavaletes foram retirados e até destruídos por eles”, relata Bolini.

Ainda segundo ele, uma tela colocada na rotatória para impedir o trânsito também foi retirada e/ou danificada durante esse período.

Para diminuir o desconforto com a poeira, até que a obra seja retomada, o Serviço de Água e Esgoto do Município de Bariri (Saemba) vem molhando o local.  A reclamação dos moradores, no entanto, permanece.

Segundo Nascimento, a obra não está parada, os serviços atuais estão no subsolo, o último lote de tubulação será instalado e a obra está dentro do prazo – Divulgação

 

 A obra

 

Cerca de 230 metros de tubulação devem pôr fim aos constantes alagamentos registrados no local.  Os recursos são advindos de convênio entre o governo estadual e o Executivo municipal, assinado no fim de 2018. O valor é de R$ 150.826,71, dos quais R$ 100.000,00 de responsabilidade do Estado e o restante da prefeitura. O serviço está sendo realizado pela empresa A. Fernandez Construções, que venceu a licitação pelo valor de R$ 114,8 mil

A tubulação está sendo colocada a partir da Rua Campos Salles em direção à rotatória no cruzamento com a Rua Rui Barbosa. Depois os tubos seguem até o córrego situado após a cachoeira do Lago. Uma segunda etapa do projeto contempla a construção de galeria na Avenida José Jorge Resegue, da Rua Campos Salles até nas proximidades do Centro Educacional, Cultural e de Exposições Mario Fava. Nesse caso, será preciso pleitear novos recursos junto aos governos estadual e federal.

Segundo a prefeitura, cerca de 230 metros de tubulação devem pôr fim aos constantes alagamentos registrados no local – Divulgação