Slider

Trinta e três pitbulls foram encontrados em chácara presos e em condições precárias – ASPA Itu/Divulgação

A Polícia Civil localizou em Itu (SP) uma chácara com 33 cachorros da raça pitbull na tarde de segunda-feira, 16. O proprietário do local é um dos 41 presos que participavam de uma rinha de cães em Mairiporã, na região metropolitana da capital.

A polícia foi chamada no local após uma denúncia anônima. No sítio, os pitbulls estavam em condições precárias de saúde. De acordo com a ASPA Itu (Associação de Socorro e Proteção aos Animais de Itu), ONG que auxiliou no resgate dos cães, além dos cães, também havia animais silvestres presos em gaiolas e dois cavalos.

No último sábado, 14, a Polícia Civil de São Paulo prendeu 41 pessoas que participavam de uma rinha clandestina de pitbulls em Mairiporã. Foram encontrados no evento 18 cães, quase todos feridos, além de um cachorro que estava sendo assado e serviria de comida para os outros.

Após a divulgação da ocorrência, moradora de Araraquara reconheceu entre os presos um homem que seria morador de Jaú.
Ele supostamente vendia e adestrava cães em Araraquara e, segundo publicação reproduzida por defensor da causa animal, o homem teria mudado para Jaú tempos atrás.

A informação foi publicada originalmente por uma cliente, que revoltada, usou as redes sociais para desabafar.

O Caso

A operação no último sábado contou com o apoio da Delegacia de Proteção do Meio Ambiente do PR. Os policiais encontraram no local anotações de apostas, celulares, troféus, camisetas do evento, planilhas de lutas, medicamentos ilegais, seringas e insumos hospitalares.
De acordo com a polícia, dentre os detidos estavam apostadores, criadores e treinadores, além de um médico veterinário — que, segundo as autoridades, oferecia soro para manter os animais na rinha. Pelo menos cinco estrangeiros também foram presos: um americano, dois peruanos e dois mexicanos. Um policial militar também foi preso e encaminhado ao presídio Romão Gomes.
O delegado Matheus Laiola, da Polícia Civil do PR, contou em sua conta no Instagram que havia filhotes entre os cães resgatados e os participantes colocavam pimenta no focinho dos animais para deixá-los enfurecidos para as brigas. Segundo ele, a operação envolveu mais de 100 policiais.
Os animais resgatados foram mantidos sob escolta policial — o Instituto Luisa Mell ofereceu apoio para ajudar no acolhimento dos cães em estado mais grave; outros foram encaminhados para adoção. Os detidos foram autuados pelos crimes de maus tratos a animais, resistência e contravenção penal de aposta em jogo de azar.

Fontes: Veja.com e Central da Notícia