Slider

Nas avenidas e ruas centrais, a movimentação de pessoas foi grande em busca de serviços e produtos – Divulgação

Nesta segunda-feira, 1º de junho, a decisão da Prefeitura de Bariri de permitir a volta de serviços essenciais (comércio, igrejas e clubes), com restrições, levou muitas pessoas para a área central da cidade.

Em especial, nas avenidas Claudionor Barbieri e 15 de Novembro, além da Rua Sete de Setembro, a movimentação de pessoas foi grande em busca de serviços e produtos.

Segundo o decreto, os estabelecimentos (lojas, escritórios, concessionárias, bares e salões) devem controlar o acesso de pessoas. É autorizada a entrada de uma pessoas para cada sete m², com distância de 1,5 m entre elas.

As pessoas devem obrigatoriamente portar máscaras e há oferta de álcool gel. O problema é que isso nem sempre ocorre. Muita gente está circulando sem a proteção e/ou utiliza de forma incorreta (no queixo, nas mãos, pendurada nas orelhas).

O Candeia recebeu reclamação de leitores que opinam pela necessidade de maior fiscalização e/ou até multa ou pena. Os comerciantes e/ou prestadores de serviços também reclamam que consumidores e usuários relutam em cumprir as normas de proteção e prevenção à pandemia de Covid-19.

A verdade é que, por uma série de fatores, dificilmente o poder público tem condições de empreender fiscalização eficaz.  Esse é o típico caso de conscientização e civilidade. Demanda responsabilidade social, por parte de todos os munícipes.