Composição 1_1
Composição 1_1

A Santa Casa de Jaú encaminhou nota à imprensa a respeito de déficit milionário do hospital.
Também entrou em contato com prefeitos, secretários de Saúde e vereadores das 12 cidades que tem a Santa Casa de Jaú como referência em atendimento de média e alta complexidade.
O objetivo é que tomem ciência da atual situação que a entidade se encontra, bem como, se possível, para que intervenham de alguma forma para ajudar os pacientes dos municípios atendidos. Bariri está entre eles.
Segundo o hospital, é fato notório que os hospitais filantrópicos e santas casas de todo o país correm o risco de fechar as portas em meio à falta de repasses financeiros do governo federal para os atendimentos no Sistema Único de Saúde (SUS).
De acordo com levantamento da Confederação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos (CMB), nos últimos seis anos, 315 instituições tiveram que encerrar os serviços no país por não ter verba suficiente para continuar operando.
A situação se agravou durante a pandemia de Covid-19, e a crise sanitária elevou a demanda e os custos, fazendo com que aumentasse a dívida do setor.
A Santa Casa de Jaú informa que depende de verbas públicas para a melhoria do hospital e atendimento as pessoas, sendo que, por volta de 80% dos atendimentos prestados, são do SUS, cuja tabela não tem reajuste há mais de 20 anos.
No ano passado, a entidade apresentou déficit no montante de R$ 5,2 milhões. Em relação a 2022, considerando os valores apurados até maio, o déficit acumulado é de R$ 10,4 milhões, perfazendo uma média mensal superior a R$ 2 milhões.

Impacto

Além da falta de recursos, outra preocupação da diretoria do hospital é com os impactos financeiros da Lei nº 14.434, de 2022, que alterou a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986 e instituiu o piso salarial nacional do enfermeiro, do técnico de enfermagem, do auxiliar de enfermagem e da parteira.
“Os profissionais de enfermagem são absolutamente merecedores do aumento, são da linha de frente do tratamento dos pacientes. O governo precisa apontar a fonte de custeio, pois os recursos da área de saúde são extremamente reduzidos, e nas áreas pública e filantrópica, são mais ainda. Na Santa Casa de Jaú, o impacto aumentará a folha de pagamento em torno de R$ 1,8 milhão”, cita o hospital.