Slider

No PA de Piratininga, leito de emergência estava sem rede de gases e com cilindro sem anteparo de segurança – Divulgação TCE

Durante uma nova fiscalização surpresa realizada em unidades de saúde, nesta terça-feira (26), em duas cidades da região, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) encontrou problemas no cumprimento de escalas por médicos plantonistas e falhas na estrutura e em equipamentos usados no atendimento aos pacientes.

No total, agentes do TCE vistoriaram de forma simultânea as condições dos serviços oferecidos à população em 299 hospitais municipais, unidades básicas de saúde (UBS’s), unidades de pronto atendimento (UPA’s) e prontos-socorros de mais de 200 municípios no estado de São Paulo.

Na região, de acordo com o diretor da Unidade Regional (UR) de Bauru do órgão, José Paulo Nardone, foram inspecionadas unidades de saúde nas cidades Agudos, Barra Bonita, Bauru, Borebi, Botucatu, Dois Córregos, Itapuí, Jaú, Lençóis Paulista, Mineiros do Tietê, Piratininga e em Reginópolis.

Na maioria desses locais, foram constatados falta de AVCB, certificação de controle de pragas e insetos e alvará de funcionamento da vigilância sanitária e problemas estruturais, como infiltrações, mofo e bolor nas paredes, inclusive em enfermaria e próximo às camas dos pacientes.

ESCALA

Nardone revela que as situações mais preocupantes foram encontradas em Dois Córregos (73 quilômetros de Bauru) e Piratininga (13 quilômetros de Bauru). Na primeira cidade, o TCE flagrou desrespeito à escala dos médicos plantonistas no Centro de Saúde “Dr. Waldemar Viotto” e equipamentos encaixotados.

“O médico ortopedista já havia se ausentado do centro de saúde às 9h. Sua escala previa horário das 7h às 11h”, diz. “O pediatra, com mesma escala e horário, até as 9h30 ainda não havia chegado. A ginecologista não se apresentou ao trabalho, gerando transtorno a pacientes que aguardavam com consultas marcadas”.

ESTRUTURA

Em Piratininga, no Pronto Atendimento, o diretor diz que foram detectadas condições estruturais precárias, com banheiros sem acessibilidade, cilindro de gases sem segurança, equipamentos enferrujados, camas amontoadas, emergência sem rede de gases, instalações elétricas improvisadas e remédios fracionados.

Como exemplos positivos de municípios que solucionaram as falhas apontadas na vistoria anterior, realizada em junho deste ano, Nardone citou Bauru, Jaú, Barra Bonita, Botucatu e Itapuí.

Fonte: Jcnet