Composição 1_1
Composição 1_1

O transporte de produtos agrícolas pela estrada vicinal do Palmital, em Bariri, tem gerado impasse entre proprietários rurais, moradores, empresas e poder público. A Prefeitura de Bariri informou na quarta-feira (6) que proprietário rural permitiu a passagem de veículos pelas suas terras nessa safra.

No sábado (2) o clima esquentou nas imediações do Bar da Forquilha. O assunto foi comentado pelo vereador Airton Luis Pegoraro (MDB) na sessão de segunda-feira, dia 4.
Ele foi chamado pelos agricultores para tentar resolver o problema. Questionou o motivo pelo qual houve proibição para passagem de caminhões pelo local e disse que os agricultores estão arcando com prejuízos por causa do desvio no escoamento de produtos e atraso no corte da cana-de-açúcar.
Pegoraro afirmou que um desvio de 1 quilômetro da Estrada do Palmital até a Estrada da Boa Vista resolveria o problema.
No início da tarde de sábado (2), moradores e pessoas que estavam no final da Rua Sete de Setembro fizeram ameaças para que caminhões carregados com cana-de-açúcar não passassem pelo local.
Na ocasião, o prefeito Abelardo Maurício Martins Simões Filho (MDB) disse que não seria autorizada a passagem dos veículos pela vicinal, que acabara de ser pavimentada.
Diante do impasse, a DCBio e outras empresas decidiram suspender o corte e transporte de cana.

Reunião

Na manhã de terça-feira (5) diretores da Associação dos Fornecedores de Cana da Região de Bariri (Assobari) e um grupo de agricultores tiveram um encontro com Abelardo na Câmara de Bariri. Pegoraro também participou da reunião.
Os agricultores reclamaram que desde o início de agosto haviam solicitado empenho do Executivo para o problema do escoamento de produtos no local, mas não tiveram a devida atenção. Outro apontamento são os gastos excessivos com o transporte por causa da necessidade de usarem desvios.
Abelardo comentou que no sábado (2) houve paralisação do serviço no campo para evitar um confronto entre trabalhadores e moradores.
O prefeito se comprometeu com os agricultores que haveria um esforço conjunto para a passagem dos caminhões por dentro de propriedades rurais perto da área urbana. O objetivo é minimizar transtornos para os moradores.
A administração municipal informou ao Candeia na quarta-feira (6) que um agricultor permitiu a passagem de caminhões por sua propriedade na atual safra.
Caso contrário, a vicinal poderia ser utilizada normalmente. O Candeia apurou que o trecho recentemente pavimentado encontra-se parcialmente destruído.
Ainda segundo Abelardo, existem outros trechos rurais que necessitam da autorização de proprietários para a passagem de veículos.
O chefe do Executivo diz que a prioridade é pelo diálogo entre as partes, evitando estudo sobre eventuais pedidos de desapropriação no Judiciário.

Abelardo Simões, Airton Pegoraro, diretores da Assobari e agricultores participaram de reunião na manhã de terça-feira, dia 5, na Câmara Municipal Z Alcir Zago

Da Redação