Composição 1_1
Composição 1_1

O proprietário da Latina Ambiental Ltda., Paulo Ricardo Barboza, encaminhou ofício à Câmara de Bariri após falas do vereador Edcarlos Pereira dos Santos (PSDB) na sessão de 7 de março. A empresa foi contratada em meados do ano passado pelo município para serviços de limpeza urbana, capina, entre outros.
O documento foi lido na íntegra na sessão de segunda-feira (21), na presença de funcionários da empresas, que ocuparam cadeiras na sede do Legislativo.
Segundo Barboza, o vereador teria explanado algumas informações equivocadas na sessão de 7 de março.
Disse que a empresa que atuou na área de limpeza pública antes da Latina, a Maria Aparecida de Souza Nossa, recebia R$ 139,4 mil por mês e não R$ 127 mil. Já a atual prestadora de serviço recebe R$ 165 mil por mês e não R$ 240 mil.
O empresário mencionou que o vereador teria dito que havia diferença de R$ 113 mil entre um contrato e outro, mas a variação seria de R$ 25,6 mil.
Outro ponto mencionado por Barboza é que a Latina tem 27 funcionários e não 17. Sobre a prestação de maior número de serviços pela Souza Nossa em detrimento da atual firma, escreveu que são contratos diferentes. O contrato em vigência se baseia na produção, pagando-se somente pelo serviço executado.
Citou que a Latina dispõe de caminhão irrigadeira, caminhão munck com cesto isolado, entre outros, além de corpo técnico composto por engenheiros agrônomo, civil e eletricista. Questionou se a empresa anterior tinha ou não esses equipamentos.
Sobre o lucro das empresas, Barboza apontou que não poderia ser feito paralelo porque a Souza Nossa é EPP e a Latina é Ltda.

Sujeira

Edcarlos pediu para fazer uso da palavra porque seu nome foi citado no ofício. O presidente da Câmara de Bariri, Benedito Antonio Franchini (PTB), autorizou.
O vereador defendeu sua fala de 6 de março porque pessoas o procuraram reclamando que a limpeza pública em Bariri não estava a contento.
Para Edcarlos, a Latina está cumprindo o contrato, no entanto, parte da população está insatisfeita com o serviço.
Ao relatar que havia mencionado o valor de R$ 240 mil, citou que incluiu uma série de serviços hoje não executados pela Latina, como tapa-buraco, jardinagem, obras em bueiros, entre outros, sendo, de acordo com ele, serviços paralelos realizados por outros prestadores.
“Todos estes serviços eram feitos por apenas uma empresa antes”, diz Edcarlos. “A pior parte é a sujeira em que a cidade se encontra.”

Observado por funcionários da Latina Ambiental, Edcarlos defende posicionamento que teve em sessão anterior | Alcir Zago/Candeia

Da Redação