Slider

Luis Gonzaga Gerlin – “Existem bloqueios judiciais que não permitem à Santa Casa usar este dinheiro; esta será a maior dificuldade que encontraremos e que tem que ser o ponto de partida para o começo da nossa solução”

 

Ao assumir a presidência do conselho superior de administração da Santa Casa de Bariri, o médico pediatra Luis Gonzaga Gerlin colocou como uma das prioridades dar total transparência dos gastos do hospital à população. Na entrevista ao Candeia, ele ressalta que é preciso encontrar meios para a liberação de recursos bloqueados em ações que tramitam na Justiça. Outra medida urgente é buscar médicos para trabalhar no hospital. Formado em 1988 na Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp), Gonzaga é especializado em pediatria e UTI pediátrica. Trabalha como médico pediatra em Bariri e é responsável técnico da UTI pediátrica de Jaú desde 1993. Já atuou como diretor técnico da Santa Casa de Jaú e como presidente regional da Sociedade Paulista de Pediatria. É membro do conselho técnico da Unimed Regional Jaú.

 

Candeia – Por que o senhor aceitou presidir o conselho superior de administração da Santa Casa de Bariri?

Gonzaga – Após várias conversas com o prefeito municipal e sabendo da necessidade que nossa Santa Casa requer, foi levantada a hipótese de montar um conselho para auxiliar na gestão. Percebendo que sem um grupo não teríamos condições de auxiliar devido às limitações de tempo, tanto minha como de outros. A ideia de montar este conselho será inicialmente resolver as questões mais emergenciais e num segundo momento diluir as tarefas com os conselheiros, tornando-as mais eficientes e menos desgastantes para uma única pessoa.

 

Candeia – Quais as principais atribuições do conselho?

Gonzaga – Devido às grandes dificuldades que estamos passando, as atribuições serão deliberativas e de fiscalização, ou seja, cabe ao conselho orientar adequação de equipe médica, enfermagem e demais funcionários, além disso intensificar a fiscalização da movimentação financeira (entrada e saída de valores), adequação de direitos trabalhistas, agilizar acerto da folha de pagamento tentando junto ao Ministério Público uma maneira de conseguirmos a liberação do dinheiro vindo da prefeitura (federal, estadual e municipal) que, como é sabido por todos, tem apresentado enormes dificuldades para liberação. Lembrando que existem bloqueios judiciais que não permitem à Santa Casa usar este dinheiro, sendo bloqueado imediatamente pela Justiça, esta será a maior dificuldade que encontraremos e que tem que ser o ponto de partida para o começo da nossa solução. Conforme acordado com o prefeito, existe um compromisso da gestão municipal em respeitar as decisões do conselho.

 

Candeia – Em relação à prefeitura de Bariri, interventora do hospital, haverá autonomia para a tomada de decisões?

Gonzaga – Sim, conforme pactuado com o senhor prefeito, todas as decisões coerentes em que exista uma adequação orçamentária serão implementadas, tanto no que diz respeito a contratos, pactuações e também pessoal.

 

Candeia – Que diagnóstico foi possível ser feito até o momento sobre o hospital?

Gonzaga – Existe necessidade de adequação médica, estamos com uma equipe pequena e com grande dificuldade de conseguir profissionais na região devido a atrasos ocorridos em seus vencimentos (salários). Outro problema é que a enfermagem necessita de uma chefia para reorganização, sendo que na primeira impressão o número de profissionais é suficiente apenas necessitando de capacitação e valorização da nossa equipe. Terceiro ponto, existe necessidade de treinamento da equipe de apoio (portaria, copa, limpeza, RX, segurança, entre outros) sendo que pequenos detalhes podemos melhorar muito nosso atendimento sem necessidade de maiores investimentos (gastos). Quinto fator e muito importante, é o financeiro que estamos começando a entender para poder propor mudanças.

 

Candeia – O senhor acredita que é possível manter o funcionamento da Santa Casa?

Gonzaga – Tanto acredito que me dispus a ajudar, lembrando que este conselho é não remunerado (voluntário). Sempre pensei que existe um custo que devemos saber quanto é e quanto temos de dinheiro. Se isso é suficiente, ótimo, caso contrário, precisamos saber com total transparência qual é o deficit (quanto falta?). Mostrando isso para a sociedade, população e autoridades, e juntos acharmos o caminho. Porque a Santa Casa é um bem de todos e todos sabemos o quanto é necessário.

 

Candeia – Em sua opinião, que medidas devem ser tomadas para equilibrar as contas da Santa Casa de Bariri? Em que setores é possível reduzir despesas e aumentar receitas?

Gonzaga – Este é um dos focos em estudo do nosso grupo que está iniciando as atividades e avaliações agora.

 

Candeia – Que ações devem ser feitas para a efetiva participação da comunidade no auxílio ao hospital?

Gonzaga – Total transparência nas contas. O que vai mostrar onde e como a população deve participar. Sendo também uma exigência do nosso conselho e do Ministério Público junto ao senhor prefeito e ao interventor. Transparência será a publicação de todas as entradas e saídas do caixa da Santa Casa, acompanhadas das suas respectivas notas fiscais na internet, conforme pactuado com o Ministério Público. A partir desta transparência, a nossa Santa Casa estará aberta a todos os tipos de ajuda possíveis.

 

Candeia – O senhor pretende discutir a situação da Santa Casa junto a órgãos dos governos estadual, federal ou com outros municípios?

Gonzaga – Após conseguirmos colocar em prática a transparência e acertar as dívidas fiscais, poderemos juntos com o senhor prefeito trabalhar politicamente verbas que venham a somar e cobrindo déficit existente ou trazer melhorias tão necessárias para nosso hospital. Conversa esta que já tivemos com o senhor prefeito.