Composição 1_1
Composição 1_1

“Caso a compra seja efetivada, a Santa Casa se livra de um verdadeiro “elefante branco – ou verde”, os credores receberão o que é de direito e o comprador pode fazer bom uso do imóvel”

Uma das ações judiciais trabalhistas contra a Santa Casa de Bariri trata de débitos do hospital com funcionários e ex-funcionários.
O processo foi ajuizado em 2018 e, passados seis anos, ainda não chegou a um desfecho favorável aos credores.
Nesse período, o Judiciário decidiu pelo leilão do prédio utilizado pela Santa Casa e pelo bloqueio de verbas públicas. Como se trata do único hospital da cidade, que atende moradores de Bariri e de Itaju, a venda do imóvel foi descartada.
Além disso, os advogados do hospital conseguiram êxito no Judiciário, demonstrando que verbas públicas não poderiam ser penhoradas.
Diante disso, abriu-se uma nova perspectiva para todos os lados envolvidos. A Justiça do Trabalho marcou para o dia 24 de junho deste ano o leilão do Hospital São José, conhecido como Elefante Verde, prédio pertencente à Santa Casa de Bariri e que nunca foi utilizado. O valor de avaliação é de R$ 5,178 milhões, com lance mínimo de R$ 2,589 milhões.
É preciso aguardar se há algum interessado em adquirir o prédio, que mede 4.436,00 m².
Caso a compra seja efetivada, a Santa Casa se livra de um verdadeiro “elefante branco – ou verde”, os credores receberão o que é de direito e o comprador pode fazer bom uso do imóvel. Isso sem contar que a venda, homologada pela Justiça, torna o negócio limpo e sem qualquer tipo de passivo.
Pelo fato de estar estrategicamente localizado ao lado da Santa Casa, o prédio poderia servir para a instalação de consultórios médicos.
Outra possibilidade é, dentro do processo de ampliação dos cursos de medicina no Programa Mais Médicos, o Hospital São José servir como extensão de cursos situados na região.
Uma terceira hipótese é “oferecer” o imóvel ao governo estadual para instalação de algum programa. Em várias oportunidades o Estado mencionou a possibilidade de implantação de um Ambulatório Médico de Especialidades (AME) na região de Jaú. Nesse caso, o poder público tem papel fundamental nessa eventual negociação.
Há alternativas, mas no momento o principal é alguém disposto a comprar o prédio pertencente à Santa Casa de Bariri.