Slider

Alcir Zago

A Della Coletta Bioenergia (DC Bio) encerrou no dia 20 de novembro a moagem da cana-de-açúcar deste ano. A safra teve início no dia 25 de março. Nesse período, foram processadas 1.723.000 toneladas de cana, ficando acima do resultado dos últimos anos.
Trabalharam em 2019 na empresa 973 funcionários, entre efetivos e temporários. Estes representam 10% do total de trabalhadores. A missa de encerramento da safra foi realizada na quarta-feira, dia 27, na própria usina.
De acordo com o presidente da empresa, José Roberto Dalla Coletta, o mix da atual safra ficou de 38% do Açúcar Recuperável Total (ATR) destinado para açúcar e 62% para etanol (leia mais no box).
O mix foi bem diferenciado das safras anteriores em função de modificações feitas no processo de fermentação e produção de etanol.
“A safra deste ano foi melhor do que a de anos anteriores em função da regularidade das chuvas no último semestre de 2018 e em 2019. Além do mais a qualidade da cana em ATR foi bem superior aos últimos cinco anos”, explica Roberto Coletta.
Esses fatores levaram a empresa baririense a ter uma safra com produtividade agrícola e rendimento industrial muito bons.
Sobre o clima, o presidente ressalta que foi muito favorável impactando diretamente na produtividade agrícola e na área industrial.
A partir de agosto deste ano as chuvas foram irregulares, e isso irá impactar na lavoura de 2020. A expectativa é que de dezembro a março as chuvas sejam mais constantes, beneficiando a formação da lavoura para a próxima safra.
A moagem do ano que vem deve ter início na última semana de março ou primeira semana de abril. Tudo dependerá da disponibilidade de matéria-prima.
Roberto Coletta afirma que não haverá mudanças na DC Bio, nem na parte administrativa e nem mesmo na estrutura societária da empresa.

Fabricação de etanol cresce em novembro

Os primeiros quinze dias de novembro registraram robusto crescimento na produção de etanol em função do maior direcionamento da matéria-prima para a fabricação do biocombustível – 71,73% da cana-de-açúcar processada foi destinada à produção de etanol, contra 65,92% no mesmo período da safra 2018/2019. Os dados são da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).
Como resultado, a produção do biocombustível alcançou 1,30 bilhão de litros nos primeiros quinze dias do mês, registrando alta de 19,03% quando comparado ao mesmo período de 2018. Deste volume, 872,81 milhões de litros foram de etanol hidratado e o restante, 426,54 milhões de litros, de etanol anidro.
A produção quinzenal de açúcar, por sua vez, alcançou 785,98 milhões de toneladas na primeira metade do mês, registrando queda de 11,31% em relação à quantidade fabricada em igual período do último ciclo.
Para o diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, “o mix de produção mais alcooleiro observado nesta quinzena é surpreendente se considerarmos que nas últimas quinzenas houve uma maior demanda por açúcar, tanto no mercado interno quanto em relação às saídas para exportação”, comentou.
No acumulado desde o início da safra até 16 de novembro, a produção de etanol somou 30,87 bilhões de litros, sendo 9,38 bilhões de litros de etanol anidro e 21,48 bilhões de litros de etanol hidratado – este com um crescimento de 8,98% em relação ao valor apurado na safra 2018/2019.
No caso do açúcar, a quantidade fabricada alcançou 26,01 milhões de toneladas no acumulado da safra.

Fonte: Unica