Slider

Semana da Consciência Negra

Jonathan tem 19 anos e é estudante de História na Unicamp; o projeto – que retrata símbolos da luta contra o racismo – alia duas paixões: a arte e a história – Divulgação

O estudante de História, Jonathan Miguel Camargo, 19 anos, criou projeto virtual que destaca 30 personalidades negras brasileiras em diferentes setores.

Intitulado “Construtores do Brasil: a resistência afro-brasileira”, o projeto traz desenhos realistas em preto e branco de artistas, atletas, políticos, cientistas e intelectuais que fizeram e fazem a história da resistência negra no Brasil.

Por isso, Jonathan achou por bem apresentar o projeto durante o Mês da Consciência Negra (20 de novembro Dia da Consciência Negra), através da página de seu perfil artístico no Instagram: @jhow.arts e da página do Facebook da Associação Cultural Quilombo de Bariri.

Segundo ele, durante o mês de novembro vem postando, diariamente, retrato de uma destas personalidades, acompanhado de pequena biografia.

O objetivo, afirma, “é o de conscientizar as pessoas sobre a relevância do povo negro na história brasileira, uma vez que este contribui para a construção de diversos aspectos socioculturais e político-econômicos do país”.

Ainda de acordo com o estudante, a ideia é se juntar à luta antirracista. “Quero fazer com que todos aqueles que se identificam com a etnia tenham orgulho de serem quem realmente são”, comenta.

As 30 personalidades retratadas são: Lélia Gonzalez; Machado de Assis; Djamila Ribeiro; Luiz Gama; Carolina de Jesus; Emicida; Antonieta de Barros; Yuri Marçal; Bia Ferreira; Milton Santos

Marielle Franco; Pelé; Marta; Aleijadinho; Ruth de Souza; Lázaro Ramos; Taís Araújo; Djonga; Dandara dos Palmares; Zumbi dos Palmares; Sueli Carneiro; Gilberto Gil; Maria Firmina dos Reis; Abdias do Nascimento; Laudelina de Campos Melo; André Rebouças; Leci Brandão; Nilo Peçanha; Sonia Guimarães e Juliano Moreira.

 

História e Arte

 

Jonathan nasceu em Bariri e é o terceiro filho do casal Gilberto Vieira Camargo Márcia Aparecida Giuseppin Camargo, que tem ainda Alan Gabriel e Alison Daniel.

Conta que desenha desde a primeira vez que pegou um lápis na mão e que, de lá para cá, aprendeu, evoluiu, aperfeiçoou os traçados e foi se apaixonando cada vez mais pela arte. “Sou adepto do estilo realista de desenho, representando normalmente pessoas, personagens, animais e paisagens”, afirma.

Cursa História na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e isto, somado à influência do pai –  seu exemplo e referência na luta antirracista – o ajudou a ampliar a visão acerca do que é ser negro no Brasil e como os ancestrais são representados na história tradicional.

Para ele, “é impossível narrar a trajetória brasileira e desdobramentos sociais e políticos, sem mencionar e dar o devido valor a diversas personalidades afrodescendentes protagonistas em inúmeros episódios”.

Afirma que o projeto é uma forma de aliar as suas duas paixões: a história e a arte. “Daí nasceu a ideia de representar personalidades negras brasileiras que se tornando referências e símbolos na luta contra o racismo”, ressalta.

São retratadas 30 personalidades negras brasileiras no projeto virtual “Construtores do Brasil: a resistência afro-brasileira” – Divulgação