Slider

Membros do Conseg durante reunião nesta semana: prefeitura realiza orçamento para verificar custo de sistema de videomonitoramento / Alcir Zago/Candeia

Membros do Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) de Bariri discutiram na reunião de terça-feira, dia 29, na Escola Senai, a necessidade de instalação de sistema de videomonitoramento na cidade.
Um dos presentes ao encontro relatou que a prefeitura de Bariri realiza orçamento para verificar o custo dos equipamentos. A administração municipal confirmou a informação ao Candeia.
Um impasse está na forma de operação do sistema. O custo é alto para manter equipe de funcionários ou policiais verificando as imagens em tempo real.
Segundo o capitão Alexandre Andrade, comandante da 3ª companhia do 27º Batalhão da Polícia Militar do Interior (BPMI), uma saída é utilizar a tecnologia para esse trabalho, a exemplo do sistema de monitoramento OCR (Reconhecimento Óptico de Caracteres, na tradução literal). Ele verifica as placas de veículos em tempo real.

Legislação

Em abril do ano passado a Câmara de Vereadores de Bariri aprovou projeto de lei que obriga o município a instalar sistema de videomonitoramento para vigilância e captura de imagem em pontos estratégicos da cidade. A iniciativa partiu do vereador Francisco Leandro Gonzalez (PPS).
O texto original recebeu substitutivo do vereador Vagner Mateus Ferreira (PSD), o Vaguinho, que ampliou o alcance do monitoramento, exigindo câmeras em escolas e unidades de saúde, além de vias públicas. Com texto revisado, o projeto recebeu maioria dos votos (7 a 1). Em meados de maio, na função de prefeito interino, Vaguinho sancionou o projeto.
Em março de 2018 a prefeitura de Bariri alugou de uma empresa sistema de videomonitoramento para realizar teste em seis diferentes pontos da cidade. O intuito é que as imagens auxiliassem a polícia nos trabalhos preventivos e de investigação.
Elas foram instaladas nos cruzamentos onde há semáforo em Bariri (esquina entre a Avenida 15 de Novembro e a Rua Tiradentes, cruzamento entre a Avenida 15 de Novembro e a Rua Sete de Setembro e esquina entre a Avenida Claudionor Barbieri e Rua Tiradentes), no cruzamento entre a Avenida Claudionor Barbieri e Rua Sete de Setembro, nas imediações do Lago Municipal e em frente à sede da Polícia Militar de Bariri.
O período de experiência foi de três meses. As câmeras foram desligadas e retiradas no dia 21 de junho. O valor do contrato para operação do sistema foi inferior a R$ 8 mil e, por isso, não houve necessidade de realizar licitação.