Slider

Vacinação irá imunizar agora pessoas com comorbidade, caminhoneiros, motoristas de transporte coletivo e portuário – Arquivo/Candeia

Teve início anteontem, dia 16, a segunda etapa de vacinação contra a Influenza (gripe) – Arquivo/Candeia

Segundo a enfermeira do Centro de Diagnose e Especialidades, Neusiely Podanoschi Giuliangeli, serão imunizadas nessa etapa pessoas com comorbidade, caminhoneiros, motoristas de transporte coletivo e portuário.

Já os professores, que inicialmente tomariam as doses da vacina a partir de 16 de abril, começarão a ser imunizados a partir de 9 de maio. O motivo é que as aulas estão suspensas presencialmente no momento.

Caso algum docente tenha doença crônica, poderá ser imunizado na segunda etapa da campanha.

São seis postos de vacinação em Bariri: Centro de Diagnose Dr. José Dorly Borges; Programas Saúde da Família (PSF 1, 2, 3 e 4) e Unidade Básica de Saúde (USB) no Jardim Nova Bariri.

 

Grupo prioritário

 

A segunda fase da campanha pretende imunizar cerca de 15,6 milhões de pessoas, segundo o Ministério da Saúde.

Os povos indígenas tiveram sua vacinação antecipada para agora pela vulnerabilidade para adoecimento e complicações por gripe. Assim como os motoristas e cobradores de transporte coletivo, que somam quase 700 mil profissionais no Brasil.

O transporte e a entrega de cargas são serviços essenciais durante a pandemia da Covid-19. Por isso, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transportes coletivo, além de trabalhadores portuários se juntam ao grupo prioritário da segunda fase da campanha.

Essas três categorias de profissionais devem buscar a vacina em qualquer serviço público de vacinação do país, independente do seu estado de residência, pois transitam em todo o Brasil.

Recomenda-se a apresentação de algum documento comprobatório, como carteira de trabalho, contracheque com documento de identidade, carteira de sócio (a) dos sindicatos de transportes, carteira de habilitação (categorias C ou E).

A coordenadora do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, Francielli Fontana, reforça “que essa vacina não protege contra o coronavírus e sim contra a influenza. Mas poderá auxiliar os profissionais de saúde na exclusão do diagnóstico, uma vez que os sintomas são parecidos entre as duas doenças, além de minimizar o impacto sobre os serviços de saúde”.

Até o momento, o Ministério da Saúde já enviou 35,1 milhões de doses para os estados para atender o público prioritário das duas primeiras fases.

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe segue até 22 de maio e a meta é vacinar, pelo menos, 90% de cada um desses grupos.

O Ministério da Saúde superou a meta de vacinar 90% dos idosos no país contra a influenza. Até o início da segunda-feira, dia 13, 18,9 milhões de idosos (90,66%) já tinham sido vacinados contra a gripe no país.

Na primeira fase também foram vacinados 3,8 milhões (75,5% da meta) de trabalhadores da saúde.