Slider

Em 2020, adultos de 55 a 59 anos também terão direito a receber uma dose nos postos de saúde de todo o Brasil. (Foto: Westend61/Getty Images)

Dia 23 de março, segunda-feira, as primeiras doses da vacina contra a gripe estarão disponíveis para o público alvo, em especial idosos e crianças de 6 meses a 6 anos incompletos.

Segundo o Ministério da Saúde, em 2020 a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe (Influenza) foi antecipada em quase um mês devido à confirmação dos casos de infecção pelo novo coronavírus no Brasil

O ministério encomendou ao Instituto Butantan, órgão responsável por fabricar as vacinas, mais de 75 milhões de doses. A meta é proteger ao menos 67 milhões de brasileiros.

Em Bariri, as ações da campanha contra a gripe estão sendo coordenadas pela enfermeira Neusiely Podanoschi, do Centro de Diagnose Dr. José Dorly Borges,

A vacina da gripe não diminui o risco de contágio por coronavírus. Mas, ao proteger a população mais vulnerável, a injeção evita que o influenza sobrecarregue o sistema respiratório. E se sabe que o coronavírus tende a provocar complicações entre quem está enfraquecido por uma doença ou carrega outros agentes infecciosos no corpo.

 

Quem pode tomar a vacina da gripe em 2020?

 

Houve um acréscimo no público-alvo prioritário da vacinação: a partir desse ano, adultos de 55 a 59 anos também terão direito a receber uma dose nos postos de saúde de todo o Brasil (antes, o imunizante era oferecido dos 60 em diante).

A lista completa de indivíduos que podem (e devem) se proteger gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde, o SUS, inclui:

  • Idosos com mais de 60 anos
  • Adultos com 55 a 59 anos
  • Crianças de 6 meses a 6 anos incompletos (5 anos, 11 meses e 29 dias)
  • Gestantes
  • Puérperas (mulheres que tiveram um filho nos últimos 45 dias)
  • Trabalhadores da área de saúde
  • Professores de escolas públicas e privadas
  • Povos indígenas
  • Portadores de doenças crônicas e outras condições clínicas (veja mais abaixo)
  • Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos que estão sob medidas socioeducativas
  • População privada de liberdade
  • Funcionários do sistema prisional
  • Profissionais de forças de segurança e salvamento

 

Fonte: Assessoria de Imprensa do Ministério da Saúde