Slider

Previsão é que dinheiro seja transferido na sexta-feira (15) – Divulgação

Os funcionários da Santa Casa de Bariri ainda não receberam o pagamento referente ao mês de dezembro.
A gestão do hospital havia informado inicialmente ao Candeia que seria necessária a aprovação de projeto de lei pela Câmara com novo plano de trabalho.
Posteriormente, a Santa Casa relatou que o dinheiro para quitar os salários dos funcionários é proveniente do Sistema Único de Saúde (SUS). A previsão é que os recursos sejam transferidos nesta sexta-feira (15). “Nossa prioridade é pagar os funcionários”, diz o gestor administrativo do hospital, Rodrigo Felício Zanuto de Oliveira.
A nova equipe que administra a Santa Casa relata que o governo anterior encerrou o ano de 2020 sem “fechar” as contas.
O problema é que muitos pagamentos foram transferidos para 2021, porém, o então prefeito Francisco Leoni Neto (PSDB) encerrou a intervenção no dia 31 de dezembro.
Segundo Oliveira, o governo anterior deveria ter deixado dinheiro em caixa para honrar os compromissos de sua administração em janeiro ou ter quitado as contas em dezembro.
Com a prorrogação da intervenção por 90 dias pelo prefeito Abelardo Maurício Martins Simões Filho (MDB), um novo plano de trabalho precisou ser feito, com repasses ao pronto-socorro.
Os documentos estão sendo analisados pelo Setor Jurídico. O próximo passo é o encaminhamento de projeto de lei para a Câmara, em sessão extraordinária. Se houver autorização legislativa, a gestão da Santa Casa poderá usar os recursos para saldar compromissos pendentes.
A nova direção do hospital aponta que assumiu com um amontoado de dívidas. Até o telefone foi cortado por falta de pagamento. Credores ligam cobrando diariamente.
O valor arrecadado com a venda de fogazza em dezembro veio em boa hora para a compra de insumos básicos. Caso contrário, haveria falta desses itens.

Outro lado

Acionado pelo Candeia, o ex-prefeito Neto Leoni alegou que a prefeitura de Bariri efetuou todos os repasses programados do exercício de 2020 corretamente para a Santa Casa.

“Não ficou qualquer pendência”, afirma ele. “Além disso, a administração enviou um adicional de mais de R$ 500 mil em dezembro, aprovado em sessão extraordinária do legislativo, tendo em vista as necessidades da entidade.”

Com relação a pagamentos, o ex-prefeito ressalta que é de atribuição da gestão da Santa Casa. “Considero normal que pagamentos sejam efetuados no mês subseqüente”, aponta. “Quando houve a intervenção em setembro de 2018, contas do mês anterior (e até mais antigas) também foram saldadas.”