Composição 1_1
Composição 1_1

Valentim Marques de Souza no interior do Buracão, onde são depositados vários tipos de entulho – Foto: Robertinho Coletta

Alcir Zago – A morte da garota Nicoly Stephani da Silva de Nicolai, 9 anos, no sábado, dia 24, após ser picada por escorpião, acendeu alerta em Bariri quanto a acidentes com esse tipo de aracnídeo (confira box). Outras cidades de São Paulo também enfrentam problemas com escorpiões.

Na manhã de domingo, dia 25, irmãs de 6 e 10 anos de idade, teriam sido picadas enquanto brincavam na Rua Mossoró, na Vila São José.

O interventor da Santa Casa de Bariri, Fábio Zenni, diz que foi ministrada medicação. As meninas ficaram internadas em observação até a manhã de segunda-feira, dia 26, com avaliação constante do quadro de saúde delas. Como não apresentaram nenhum sintoma de envenenamento, tiveram alta.

Os escorpiões estão presentes em várias partes da área urbana. O responsável pelo cemitério municipal, Ademir Benatti, diz que o local é propício para o aparecimento dos aracnídeos. Pessoas que trabalham na necrópole sempre manuseiam com cuidado áreas onde eles possam estar escondidos.

Moradores que residem perto da vala existente na Rua Mário Simoneti, no Jardim Esperança 2 (local conhecido por (Buracão), relatam que encontram com frequência os bichos dentro de casa.

Mariane Cristina Fagundes conta que há dois meses dois escorpiões foram vistos no banheiro da casa onde mora. O marido dela encontrou um no boné e quase foi picado.

Valentim Marques de Souza, outro morador do bairro, diz que já matou vários escorpiões. Segundo ele, de três meses para cá houve diminuição na incidência dos bichos. Ele acredita que o Buracão abriga muitos dos aracnídeos.

A empresa Souza Nossa, terceirizada da prefeitura para serviços de limpeza e capina, tem levado principalmente restos de galho para o Buracão. A área foi transferida ao Executivo após assinatura de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público (MP). O objetivo é que seja feita a reparação de dano provocado pela extração de argila e outros recursos naturais no local. A reportagem verificou que há na vala restos de material de construção, madeiras e outros objetos.

Mutirão

Teve início anteontem, dia 29, mutirão de limpeza contra o escorpião e a dengue em Bariri (confira box). A ação é da Diretoria Municipal de Saúde, através do Setor de Vigilância Epidemiológica.

A ação emergencial visa realizar mutirões de limpeza em todos os bairros do município, seguindo um cronograma diário de coleta de materiais e entulhos em horário comercial.

Em parceria com a Diretoria Municipal de Infraestrutura, a campanha tem o objetivo de mobilizar a população para que colabore deixando em frente às residências, desde manhã, materiais descartados como lixo, madeiras, móveis velhos e entulhos.

A prefeitura fica responsável pelo recolhimento dos materiais e a correta destinação. De acordo com o setor de Vigilância Epidemiológica, a intenção é prevenir a proliferação do escorpião e da dengue em Bariri.

Cronograma do mutirão de limpeza

Data            Bairros

1º/12            Jardim Santa Clara, Jardim Santa Rosa, Maria Luiza 2 e 3, Vila Santa Helena, Jardim São Marcos, Jardim Esperança 1, Núcleo 1 e Vila São José

3/12             Vila Americana, Jardim Maravilha, Jardim América, Jardim dos Ipês e Vila Conceição

4/12             Jardim Bela Vista, Jardim Beltrame 1 e 2, Jardim Umuarama e Jardim Morumbi

5/12             Vila Santa Terezinha, Jardim Paraíso, Jardim Panorama e Jardim Nova Bariri

6/12             Jardim Santa Lúcia, Jardim Paulista, Jardim Esplanada e Jardim Industrial 1

7/12             Centro da Cidade, Vila Maria, Jardim São Francisco, Jardim Maria Luiza e Cidade Jardim

8/12             Jardim Yang 1, 2 e 3, Maguim Villas, Jardim Industrial 2, Jardim Alvorada e Bairro Livramento

10/12           Jardim Europa, Jardim Primavera, Jardim Lucyla, Viva Mais, Polo Industrial e Jardim Athenas

Fonte: prefeitura de Bariri

Garota morre ao ser picada na zona rural

A garota Nicoly Stephani da Silva de Nicolai, 9 anos, morreu na madrugada de sábado, dia 24, após ser picada por escorpião.

A tia da menina, Taísa Favaro, conta que ela brincava no quintal de casa no sítio onde morava, por volta das 10h de sexta-feira, dia 23.

A propriedade rural fica às margens da Rodovia Leônidas Pacheco Ferreira (SP-304), sentido Bariri-Itaju, a poucos metros da área urbana de Bariri.

Ao pular sobre um papelão, ela levou uma picada de escorpião no pé. Nicoly brincava descalça.

Após ela dar um grito, um adulto que estava perto rapidamente identificou e capturou o escorpião.

A menina foi levada imediatamente ao pronto-socorro da Santa Casa de Bariri e tomou seis ampolas de soro antiescorpiônico. A disponibilidade do soro em Bariri e outras cidades da região ocorre após a Justiça Federal acatar pedido do Ministério Público Federal. Isso porque em abril deste ano uma criança de 6 anos morreu em Barra Bonita após ser picada por um escorpião.

Taísa diz que o médico pediatra Luiz Gonzaga Gerlin, que estava na Santa Casa de Bariri no momento da chegada da sobrinha, deu o atendimento.

Com a piora do quadro, a menina foi levada para Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de Bariri. Ela não melhorou e foi transferida para a Santa Casa de Jaú, onde recebeu mais soro.

Na tarde de sexta-feira Nicoly chegou a ter quatro paradas cardíacas. Na última delas os procedimentos para que o coração dela voltasse a bater demoraram dois minutos.

Por esse motivo, a equipe médica de Jaú decidiu que a garota ficaria em coma induzido.

À 1h de sábado, dia 24, o quadro da garota piorou. Ele teve outras três paradas cardíacas e acabou morrendo por volta das 2h da madrugada.

Às 8h da manhã o corpo da menina chegou a Bariri. Ela foi velada no Velório Municipal e enterrada às 16h30 no Cemitério de Bariri. Nicoly cursava o quarto ano na escola Julieta Rago Foloni.

Taísa diz que todo o socorro foi prestado e de forma rápida. Segundo relatado pelos médicos a ela, o veneno do escorpião causou grandes danos à saúde da menina e de forma rápida. Por esse motivo, a sobrinha não sobreviveu.

Soro

A diretora municipal de Saúde, Samara Ferro Jacó de Carvalho, informa que 40 minutos após a utilização do soro antiescorpiônico na garota, as ampolas já foram repostas.

Samara explica que estes soros não são encontrados para a compra. “Já fizemos contato com Instituto Butantan e outros locais, mas eles não realizam a venda”, diz. “São disponibilizados através da secretaria estadual”.

Nicoly Stephani da Silva de Nicolai morreu ao pisar num escorpião enquanto brincava – Foto: Arquivo Pessoal

Saiba como prevenir acidentes com escorpiões

Os grupos mais vulneráveis aos acidentes com escorpiões são os trabalhadores da construção civil, crianças e pessoas que permanecem maiores períodos dentro de casa ou nos arredores, como quintais (intra ou peridomicílio).

Ainda nas áreas urbanas, estão sujeitos os trabalhadores de madeireiras, transportadoras e distribuidoras de hortifrutigranjeiros, por manusear objetos e alimentos onde os escorpiões podem estar alojados.

A grande maioria dos acidentes é leve e o quadro local tem início rápido e duração limitada. Os adultos apresentam dor imediata, vermelhidão e inchaço leve por acúmulo de líquido, piloereção (pelos em pé) e sudorese (suor) localizadas, cujo tratamento é sintomático.

Movimentos súbitos, involuntários de um músculo ou grupamentos musculares (mioclonias) e contração muscular pequena e local (fasciculações) são descritos em alguns acidentes.

Já crianças abaixo de sete anos apresentam maior risco de alterações sistêmicas nas picadas por escorpião-amarelo, que podem levar a casos graves e requerem soroterapia específica em tempo adequado.

Como prevenir acidentes

– Manter jardins e quintais limpos. Evitar o acúmulo de entulhos, folhas secas, lixo doméstico e materiais de construção nas proximidades das casas;

– Evitar folhagens densas (plantas ornamentais, trepadeiras, arbusto, bananeiras e outras) junto a paredes e muros das casas. Manter a grama aparada;

– Limpar periodicamente os terrenos baldios vizinhos, pelo menos, numa faixa de um a dois metros junto às casas;

– Sacudir roupas e sapatos antes de usá-los, pois as aranhas e escorpiões podem se esconder neles e picam ao serem comprimidos contra o corpo;

– Não pôr as mãos em buracos, sob pedras e troncos podres. É comum a presença de escorpiões sob dormentes da linha férrea;

– Usar calçados e luvas de raspas de couro;

– Como muitos destes animais apresentam hábitos noturnos, a entrada nas casas pode ser evitada vedando-se as soleiras das portas e janelas quando começar a escurecer;

– Usar telas em ralos do chão, pias ou tanques;

– Combater a proliferação de insetos, para evitar o aparecimento dos escorpiões que deles se alimentam;

– Vedar frestas e buracos em paredes, assoalhos e vãos entre o forro e paredes, consertar rodapés despregados, colocar saquinhos de areia nas portas, colocar telas nas janelas;

– Afastar as camas e berços das paredes;

– Evitar que roupas de cama e mosquiteiros encostem no chão. Não pendurar roupas nas paredes; examinar roupas, principalmente camisas, blusas e calças antes de vestir;

– Acondicionar lixo domiciliar em sacos plásticos ou outros recipientes que possam ser mantidos fechados, para evitar baratas, moscas ou outros insetos de que se alimentam os escorpiões;

– Preservar os inimigos naturais de escorpiões e aranhas: aves de hábitos noturnos (coruja, joão-bobo), lagartos e sapos.

O que fazer em caso de acidente escorpiônico

– Limpar o local com água e sabão;

– Aplicar compressa morna no local;

– Procurar orientação imediata e mais próxima do local da ocorrência do acidente (UBS, posto de saúde, hospital de referência);

– Atualizar-se regularmente junto à secretaria estadual de saúde para saber quais os pontos de tratamento com o soro específico em sua região;

– Se for possível, capturar o animal e levá-lo ao serviço de saúde.

O que NÃO fazer em caso de acidente escorpiônico

– Não amarrar ou fazer torniquete;

– Não aplicar qualquer tipo de substância sobre o local da picada (fezes, álcool, querosene, fumo, ervas, urina), nem fazer curativos que fechem o local, pois isso pode favorecer a ocorrência de infecções;

– Não cortar, perfurar ou queimar o local da picada;

– Não dar bebidas alcoólicas ao acidentado, ou outros líquidos como álcool, gasolina ou querosene, pois não têm efeito contra o veneno e podem agravar o quadro.

Fonte: Ministério da Saúde