Composição 1_1
Composição 1_1

Coletiva de imprensa contou com a participação do Promotor de Justiça Nelson Aparecido Febraio Júnior e do delegado titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Jaú, Marcelo Góes (Foto Reprodução internet)

O promotor de Justiça Nelson Aparecido Febraio Júnior concedeu entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (8) na Central de Polícia Judiciária (CPJ) de Jaú. Ele relatou que há duas frentes de investigação em relação à empresa Latina Ambiental Ltda., que presta serviço de capina e limpeza pública em Bariri e também em Itaju.
Na coletiva, Febraio Júnior esteve ao lado do delegado titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Jaú, Marcelo Góes.
O representante do MP, que na ocasião também representou o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), contou que a operação investiga crimes em licitação, eventual associação criminosa, fraudes em contratos envolvendo licitação e prestação de serviço em Bariri e Itaju.
A 2ª Vara Judicial de Bariri deferiu os mandados de busca e apreensão – três em Limeira, quatro em Jaú, seis em Bariri e dois em Itaju. Também foi cumprido um mandado de prisão temporária, contra empresário morador de Limeira.

Atentado

A apuração teve início no MP de Bariri, com foco no possível direcionamento de licitação e contrato.
No transcorrer do trabalho, no início de junho, houve atentado contra o empresário baririense Fábio Yang. Homens armados entraram na residência dele, fizeram ameaças, agrediram-no fisicamente e roubaram seu telefone celular.
De acordo com o promotor de Justiça, o empresário havia protocolado representações no MP e no Tribunal de Contas do Estado (TCE) sobre supostas irregularidades no contrato da Prefeitura de Bariri com a empresa Latina.
A DIG de Jaú passou a investigar o caso, conseguindo identificar o veículo utilizado pelos criminosos. A investigação avançou, sendo que a Polícia Civil apontou como autor do atentado um empresário residente em Limeira, que seria o dono da Latina Ambiental.
A partir daí, MP e Polícia Civil passaram a atuar juntos devido à conexão entre os fatos.
Febraio Júnior disse na entrevista coletiva que o empresário será ouvido e as investigações terão continuidade. Adiantou que existem outros investigados nesse caso.