Slider

Arquivo/Candeia

Em sessão extraordinária e virtual, realizada na quinta-feira (8), a Câmara Municipal aprovou por unanimidade projeto de lei 14/2021, de autoria do prefeito Abelardo Maurício Martins Simões Filho (MDB), que subvenciona a Santa Casa de Bariri com verba extra de R$ 630 mil, para atendimento dos casos de Covid-19.

A matéria entrou em tramitação na sessão de segunda-feira, 5, e por solicitação do Executivo, ganhou caráter de urgência especial. Por isso, o presidente da Casa, Benedito Antonio Franchini (PTB), convocou nova sessão para deliberação do pedido.

A verba extra (do Tesouro municipal) será repassada em três parcelas mensais de R$ 210 mil, de abril a junho. Segundo o prefeito, os recursos são destinados ao custeio emergencial de ações e serviços para enfrentamento da Covid-19. Nos últimos meses, Bariri, como todo o Estado de São Paulo, registra aumento considerável no número de casos e de mortes associadas ao coronavírus.

 

Plano de trabalho

 

Durante discussão da matéria, os vereadores comentaram que no atual momento de pandemia, com internações acima do esperado (enfermaria e unidade semi-intensiva), é preciso que haja alocação de mais recursos ao hospital. Pessoas com a Covid-19 necessitam de monitoramento médico constante.

Inclusive, a Santa Casa de Bariri está atendendo pacientes graves com o novo coronavírus porque centros de média e alta complexidades na região não estão aceitando transferências devido ao colapso do sistema.

Também disseram que mais da metade do recurso extra será destinada ao pagamento de médicos. Por esse motivo, cobraram da gestão do hospital que haja a presença de quatro profissionais, tanto no plantão de entrada, quanto no setor hospitalar, e também do cumprimento do plano de trabalho.

Os edis mencionaram ainda que a atual administração da Santa Casa procurou ajustar o horário dos médicos que já atuavam na unidade de saúde para não haver incompatibilidade no período de trabalho.

Outro apontamento é que a Santa Casa busca atrair capital privado para aumentar as receitas, por meio de cirurgias sem sangue.

 

Lockdown

 

De 12 a 16 de março, devido ao colapso no atendimento hospitalar, pela primeira vez na história do município foi decretado lockdown na tentativa de diminuir a demanda de contágios e internações. Ainda não houve anúncio oficial do resultado prático da medida.

Na sessão de segunda-feira, os vereadores aprovaram subvenção de R$ 1,2 milhão para a Santa Casa, com vigência de 90 dias (de abril a junho de 2021). Serão três parcelas mensais de R$ 400 mil. A autorização legislativa é necessária tendo em vista a prorrogação da intervenção administrativa do hospital por mais 90 dias, definida pelo prefeito e anunciada na semana passada.

Com a aprovação da verba extra, o montante a ser repassado para o hospital nos próximos três meses é de R$ 1,830 milhão.