posto-santa-lucia-novo-2017

Paulo Araujo foi preso pela Polícia Militar em abril de 2018, acusado de ter estuprado uma menina de 8 anos – Divulgação

A juíza Sueli Zeraik de Oliveira Armani, de São José dos Campos, deferiu em meados de junho pedido feito pela defesa, concedendo ao ex-prefeito de Bariri Paulo Henrique Barros de Araujo a progressão para o regime semiaberto.
Até então, ele estava preso em regime fechado na Penitenciária “Dr. José Augusto Salgado”, no município de Tremembé, próximo a São José dos Campos.
O Ministério Público (MP) manifestou-se contrário ao benefício requerido pela defesa.
Paulo Araujo foi preso pela Polícia Militar em abril de 2018, acusado de ter estuprado uma menina de 8 anos (leia box).
Em setembro de 2019 ele foi condenado pela Justiça de Bauru a onze anos e três meses de reclusão em regime inicial fechado pelos crimes de estupro de vulnerável e cárcere privado contra menor de 18 anos.
De acordo com a juíza que apreciou o pedido do benefício, “verifica-se que o sentenciado teve sua conduta classificada como ótima pelo Serviço de Segurança e Disciplina do estabelecimento em que cumpre pena, não havendo cometido falta disciplinar por ele cometida, constando ainda que vem desenvolvendo atividade laborterápica no cárcere.”
A magistrada apontou ainda que o ex-prefeito “preenche o lapso temporal necessário e possui situação processual definida, estando satisfeitos, portanto, os requisitos necessários para o quão pretendido (mudança do regime fechado para o semiaberto).”
Na decisão de meados de junho, a juíza determinou que em 15 dias o diretor da unidade prisional de Tremembé 2 providenciasse remoção de Paulo Araujo para presídio adequado. Conforme informações do Jornal da Cidade, de Bauru, o ex-prefeito foi transferido para a ala de progressão da Penitenciária 2 de Tremembé.
Nesse tipo de cumprimento de pena, a pessoa tem o direito de trabalhar e fazer cursos fora da prisão durante o dia, mas deve retornar à unidade penitenciária à noite. Além disso, o detento tem o benefício de reduzir o tempo de pena através do trabalho: um dia é reduzido a cada três dias trabalhados.
O Candeia entrou em contato com o advogado do ex-prefeito, Eduvaldo José Costa Junior, mas não obteve retorno.

Condenação a 11 anos de reclusão

Em setembro de 2019 a Justiça de Bauru condenou o ex-prefeito de Bariri Paulo Henrique Barros de Araujo a onze anos e três meses de reclusão em regime inicial fechado pelos crimes de estupro de vulnerável e cárcere privado contra menor de 18 anos.
A denúncia foi oferecida pelo Ministério Público (MP) após ele ter sido preso no dia 21 de abril de 2018 em Bauru, acusado de ter estuprado uma menina de 8 anos.
Naquela ocasião, a Polícia Militar (PM) deteve o ex-prefeito, que foi encaminhado à Delegacia Seccional de Bauru. Na manhã de 22 de abril de 2018 audiência de custódia no Fórum de Bauru converteu a prisão em flagrante em preventiva. Em razão desse caso, ele ficou preso na Penitenciária de Tremembé, aguardando o julgamento.
O boletim de ocorrência registrado em Bauru menciona estupro de vulnerável às 10h40 do dia 21 de abril de 2018 no Núcleo José Regino contra uma menina de 8 anos.
Segundo o documento, a garota foi arrebatada por Araujo, mas conseguiu fugir do veículo quando o automóvel ficou atolado numa vala em local ermo.
A PM soube do caso por volta das 9h. Houve solicitação de que uma criança havia sido raptada por um homem de barba que estava em um veículo GM Onix na cor preta, com placa final 0507.
Os policiais foram ao local e deram voz de prisão a Araujo. Posteriormente, a Câmara de Bariri cassou o mandato do vereador, que ocupava interinamente o cargo de prefeito da cidade.

Da redação