Slider

Lucas Matos

“O movimento escoteiro, visto pelos jovens é um grande jogo; enquanto pelos adultos, é reconhecido como um instrumento auxiliar e eficaz em se falando de educação”

Dia 6 de agosto, terça-feira, é comemorado o Dia Interamericano do Escotista, data que marca a final do 1º Jamboree Mundial, em Olympia, capital do estado de Washington, nos Estados Unidos, em 1920. Na ocasião, Baden-Powell foi aclamado como Chefe Escoteiro do mundo. Para comentar a data e o movimento do escotismo na cidade, Candeia entrevistou o atual presidente do Grupo Escoteiro Bariry, Lucas Alexandre Matos, 43 anos. Segundo ele, pelo menos três mil jovens já passaram pela instituição e se orgulham em dizer que ‘uma vez escoteiro, sempre escoteiro’. De acordo com Matos, é comum ainda se cumprimentam na rua, quando se encontram, à moda escoteira (mão esquerda e dedos mínimos entrelaçados). Na entrevista ele fala qual a importância de se comemorar o Dia do Escotista; comenta a proposta, os princípios e valores do escotismo; a Lei Escoteira idealizada por Baden-Powell; a trajetória de 33 anos do Grupo Escoteiro em Bariri; atividades, projetos e serviços prestados pelos escoteiros em Bariri; e a proposta de levar pela primeira vez os escoteiros locais a uma atividade panamericana em 2020.

Quem é o entrevistado

Lucas Alexandre Matos é baririense e tem 43 anos. É bacharel em Direito, com licenciatura em Filosofia e estudante de Pedagogia. Trabalhou desde muito jovem em escritório da família. Depois, de 1993 até 1996 atuou na prefeitura de Bariri, após concurso público. Retornou ao escritório com advento da formação em Direito (1997), profissão que exerce atualmente. Desde início do ano de 2019 leciona Filosofia em Jau-SP.
Foi escoteiro dos 11 aos 15 anos, sênior até os 17, quando se afastou após ingresso na faculdade. Aos 23 anos, em 1999, retornou ao Grupo Escoteiro, agora como ‘escotista’ (os adultos do movimento)
No ano de 2005 foi eleito primeiro presidente da instituição que antes atuou como membro juvenil. Em 2017, cumpriu novo afastamento depois do nascimento do filho, Guilherme. Retornou ao movimento em 2013 e, no ano passado, foi eleito presidente para mandato no biênio 2018-2019.

Candeia – Dia 6 de agosto é comemorado o Dia Interamericano do Escotista. Qual importância da data para o movimento do escotismo?
Lucas Matos – Essa data é marcante pois nela comemorarmos o último dia de atividades do 1.º Jamboree Mundial (maior acampamento internacional), realizado em agosto de 1920, oportunidade em que mais de 8 mil jovens (e não um colegiado e/ou políticos ou um rei – governante da Inglaterra) de diversas partes do mundo, aclamaram Baden-Powell como Grande Chefe Escoteiro Mundial. Hoje temos neste papel de embaixador o famoso aventureiro, escritor e apresentador de TV conhecido por ‘Bear Grylls’, que ajuda a divulgar as ações do movimento escoteiro de todo mundo, e que abriu o Jamboree deste ano nos EUA para 42 mil escoteiros de todo mundo, iniciando dias atrás, as comemorações desta data.

Candeia – Qual principal proposta do escotismo? Que conceitos e valores não devem faltar na atuação do escotista?
Lucas Matos – O movimento escoteiro, enquanto instituição que pratica a educação não formal, baseada em seu método escoteiro (ferramenta pedagógica), visa o pleno desenvolvimento das potencialidades das crianças e jovens, através da propositura de desafios, vivência de aventuras, incentivo a exploração, realização de descobertas, experimentação de coisas novas e a busca constante de soluções aos problemas e situações, por mais variados que sejam, que se apresentam no dia a dia de cada jovem. As atividades escoteiras, respeitando a individualidade e limites de cada um, contribuem para o desenvolvimento do caráter, espiritual, afetivo, social, físico e intelectual dos jovens. Em outras palavras, poderíamos dizer que o movimento escoteiro, visto pelos jovens é um grande jogo e, enquanto pelos adultos, é reconhecido como um instrumento auxiliar e eficaz em se falando de educação, ainda mais em uma época que muito se fala em educação por projetos, ludo educação, dentre outros termos usados pedagogicamente.

Candeia – Baden-Powell idealizou a Lei Escoteira (10 artigos) para que o jovem escoteiro tivesse onde se espelhar e pudesse se orientar. Quais os principais princípios presentes no documento?
Lucas Matos – Os princípios constantes da Lei Escoteira funcionam como um código de conduta moral (inspirado em muito nos cavaleiros medievais), ou ainda, é uma aceitação voluntária de um compromisso para com seu autodesenvolvimento, feito em vista da sua comunidade e próximo, e mediante a crença em um Deus ou ser superior que criou todas as coisas. Essa aceitação, juntamente com as outras engrenagens, compõe o método escoteiro: o aprender fazendo, a vida em equipe, as atividades progressivas, atraentes e variadas e o desenvolvimento pessoal com orientação individual (pelos adultos).

Candeia – Há 33 anos o Grupo Escoteiro está presente em Bariri. O que o senhor destaca dessa trajetória?
Lucas Matos – Nestes 33 anos de ininterrupta atividade desta Unidade Escoteira Local (UEL), que inicialmente fora avençada a possibilidade de ser denominado Grupo Escoteiro Nossa Senhora das Dores, mas iniciou suas atividades oficialmente como Grupo Escoteiro João Lemos e depois teve sua alteração de nome para, até hoje, Grupo Escoteiro Bariry, a própria longevidade é um fato marcante e importante, visto que torna-se cada vez mais difícil congregar jovens em atividades que não sejam as tecnológicas. Para isso o próprio movimento vem se reciclando em seu mais de 112 anos, trazendo para seu programa e método, elementos da realidade dos jovens. Ademais, não tem como negar que a construção do prédio que hoje é utilizado, pelo esforço de todas as famílias que participaram nestes três décadas, não seja um fato importante também, e que foi capitaneado por outras diretorias que dirigiram o grupo. Ainda, vale lembrar que mais de três mil jovens já passaram pela nossa instituição em todo esse tempo, e se orgulham em dizer que ‘uma vez escoteiro, sempre escoteiro’ e ainda se cumprimentam na rua, quando se encontram, à moda escoteira (mão esquerda e dedos mínimos entrelaçados).

Candeia – Quais as principais atividades, projetos e serviços prestados pelos escoteiros em Bariri?
Lucas Matos – Talvez o maior projeto ou serviço de nossa UEL seja o esforço em proporcionar a comunidade uma criança, jovem ou adulto que possa ajudar a transformar a sociedade. Mas, falando propriamente dos projetos, o GE Bariry participou ativamente de grandes campanhas ao longo de sua história, tais como: “Alerta para a Vida”, “Campanhas do Agasalho”, visitas a antiga “Casa da Criança” (com atividades no dia das crianças), limpeza do Rio Tietê (dentre outras) e parcerias com escolas como Sesi, e mais atualmente realizando atividades com instituições de ensino como a escola Coeba e o Colégio Max Beni Macena (Educação Escoteira). Ainda este ano realizamos o primeiro Seminário Baririense de Meliponicultura (abelhas sem ferrão – que além de divulgar a importância dessa prática, ajudou a arrecadar produtos e mantimentos para o Focinho Carente). Iniciamos também o projeto interno e externo – ‘Crescer para desenvolver a Cidade’ – para que possamos atingir tão logo (antes de 2023) a marca de 100 crianças e jovens em nossa instituição. Temos ainda outros projetos e parcerias para serem realizados ainda este ano, e que logo estaremos divulgando.

Candeia – O que é o projeto Iniciativa Bariry no JamCam?
Lucas Matos – É oportuno comentar a grande importância do projeto ‘Iniciativa Bariry no JamCam’, onde um grupo de pais de jovens, com idades entre 11 e 17 anos, vêm trabalhando desde outubro de 2018, arduamente em atividades para arrecadar parte de numerário necessário para que o GE Bariry possa participar pela primeira vez, em seus 33 anos, de uma atividade panamericana que ocorrerá em janeiro de 2020, em Foz do Iguaçu-PR.

Candeia – Quais as modalidades e respectivas faixas etárias oferecidas pelo Grupo Escoteiro Bariry?
Lucas Matos – O movimento escoteiro engloba três modalidades: a Básica (nosso grupo faz parte desta), espécie de ‘escoteiros da terra’; a modalidade do Ar e a modalidade do Mar; quanto às faixas etárias, as divisões são quatro: lobinhos, dos 6 e meio até os 10 anos; escoteiros dos 10 e meio até os 14 anos, sêniores dos 14 e meio aos 18 anos, e Pioneiros dos 18 aos 21 anos.

Candeia Como faz para ser escoteiro em Bariri?
Lucas Matos – Para ser escoteiro em Bariri é necessário que, junto com a criança ou jovem, a família tenha essa vontade e desprendimento, pois, como estamos a tratar de educação de crianças e jovens, a família esteja preparada para participar e cooperar nesse processo de formação. Depois, passar por uma entrevista ou reunião de ingresso de novas famílias, onde serão expostos todos os pontos que envolvem o pertencimento à ‘Família GE Bariry’, desde dados pedagógicos, financeiros, dentre outros. Se você, que está nos lendo, seja criança, jovem, adulto, se interessou, nos procure, pelas mídias sociais ou faça-nos uma visita na Rua Tiradentes, 280 (ao lado do Lions Clube e Clube da Melhor Idade) e conheça os detalhes e tenha certeza de que o Escotismo pode transformar sua vida. Venha você também, ser escoteiro em Bariri!