Slider

Tatiana Massucato Cataldo – “Nós sonhamos alto, queremos equipar nossa Santa Casa com aparelhos que possam auxiliar e melhorar o atendimento dos pacientes”

 

As dificuldades enfrentadas pela Santa Casa de Bariri levaram um grupo de baririenses a lançar campanha de arrecadação de dinheiro para auxiliar o hospital. Em época em que a pandemia do novo coronavírus tem levado muitas pessoas à internação, a manutenção do único hospital existente em Bariri é fundamental, ainda mais se levando em consideração que a Santa Casa é referencia para Boraceia e Itaju. Para falar sobre a campanha Elo Bariri, o Candeia conversou com a fonoaudióloga Tatiana Massucato Cataldo. Além de voluntária, ela e Adalton Gonzales abriram conta no nome deles para arrecadar recursos a fim de ajudar o hospital. “Nosso objetivo é passar a maior transparência possível nessa campanha”, afirma. Tatiana formou-se pela Universidade do Sagrado Coração de Bauru há 20 anos. Durante quase todo esse período atua na rede básica de saúde de Bariri, no Centro de Especialidade e Diagnose Dr. José Dorly Borges. Também possui uma loja de roupas femininas Plus Size há cinco anos.

 

Candeia – Como surgiu a ideia de realizar campanha em prol da Santa Casa de Bariri?

Tatiana – A idéia surgiu do Adalton Gonzales, que tinha iniciado os pedidos de ajuda para a Santa Casa em um grupo de WhatsApp do qual ele faz parte. Ele então deu essa sugestão em outro grupo de WhatsApp também do qual eu faço parte, que é do comércio local. Eu abracei essa causa, pelo fato de querer ver nossa Santa Casa se reerguer e pelo colapso que vivemos nesses últimos dias e que ainda estamos vivendo. Como profissional da área da saúde sei da importância de se ter uma Santa Casa bem estruturada no município, para assim poder oferecer um atendimento de qualidade à nossa população e das cidades vizinhas. Além também de ter um marido médico, funcionário lá dentro, e ver de perto as dificuldades que todos os profissionais sem exceção e pacientes sentem pela falta de equipamentos adequados que são fundamentais para melhor condução dos atendimentos; principalmente dos pacientes que necessitam de maiores cuidados como, por exemplo, aqueles que estão internados na UTI. Graças a Deus essa causa foi abraçada, e criamos então um grupo chamado Elo Bariri. Contamos com a participação de muitas pessoas, que estão ajudando na organização, divulgação, doação e arrecadação. Todos engajados no mesmo objetivo que é ajudar nossa Santa Casa.

 

Candeia – Há algum vínculo político com a campanha?

Tatiana – A campanha não tem nenhum vínculo político. São pessoas da sociedade que querem melhorar nossa Santa Casa, pois precisamos muito dela. É uma campanha do povo para o povo.

 

Candeia – Qual será sua participação nessa iniciativa?

Tatiana – Minha participação nessa campanha, assim como a de muitos, é ajudar na organização, divulgação, arrecadação e verificação das necessidades da entidade, como medicamentos, EPIs, equipamentos, etc.

 

Candeia – Por qual motivo decidiu-se abrir a conta no nome de duas pessoas físicas?

Tatiana – A ideia de uma conta física em meu nome e em nome do Adalton é que precisava ter nomes para poder abri-la, e dessa forma passarmos maior credibilidade na campanha e de ter maior controle da entrada e saída do dinheiro. Como nós dois temos conta no Santander, optamos então por esse banco e estamos contando com o auxílio da Melina Couto, que é a gerente dessa conta e também participa da movimentação da mesma.

 

Candeia – Quais as melhores formas de participação e contribuição da comunidade nessa campanha?

Tatiana – Estamos pedindo doação de dinheiro em qualquer quantia através de depósito, transferência ou PIX. Porém, caso alguém queira contribuir de outra forma, como alimentos, material de limpeza, EPIs, será muito bem-vindo, pois nossa Santa Casa necessita ser suprida em todas as áreas, já que os números de internações aumentaram significantemente nesses últimos meses.

 

Candeia – Como serão tomadas as decisões sobre o que comprar para o hospital? De que forma serão feitas essas compras?

Tatiana – As decisões serão tomadas em conjunto com os responsáveis pela campanha e diretoria da Santa Casa. Nosso objetivo não é entregar o dinheiro e sim fazer a compra do que for preciso e do que estão precisando com maior urgência, mediante a orçamento, nota fiscal e recibo de compra. Nós sonhamos alto, queremos equipar nossa Santa Casa com aparelhos que possam auxiliar e melhorar o atendimento dos pacientes.

 

Candeia – De que forma o grupo pretende prestar contas do dinheiro arrecadado e dos itens adquiridos para a Santa Casa de Bariri?

Tatiana – Nós temos um grupo de WhatsApp e uma página no Facebook que chama Elo Bariri, em que divulgamos boletins diários da conta e das doações. Tudo o que é recebido ou comprado é informado diariamente. Nosso objetivo é passar a maior transparência possível nessa campanha. Nosso intuito é apenas ajudar uma entidade que está muito desacreditada por todos. Queremos reerguer nossa Santa Casa. Graças a Deus, a população, o comércio, as indústrias, empresários, autônomos estão sendo muito solidários e abraçaram essa campanha, estão muito engajados nessa causa nobre.

 

Como colaborar

 

Caso alguém queira fazer alguma doação, a conta é Banco Santander 033, agência 0646, conta-corrente: 01016690-7, em nome de Tatiana Massucato Cataldo ou Adalton Cristiano Gonzales. O CPF/PIX é 272.678.708-80.

Na página no facebook (www.facebook.com/elobariri) é possível acompanhar as doações recebidas, tanto de dinheiro como de itens necessários ao dia a dia do hospital. Várias empresas e moradores de Bariri têm aderido à proposta. Para conferir, basta acessar a página da Elo Bariri no Facebook.

 

Campanha Lauribem arrecada alimentos

 

Familiares de Laura Edilza Storion da Costa Lima decidiram fazer campanha denominada Lauribem em prol de famílias carentes atendidas pela Paróquia de Santa Luzia, de Bariri.

Laura morreu no sábado (13) em decorrência do novo coronavírus. Há anos trabalhando no setor de RH da prefeitura de Bariri, era muito querida pelos servidores públicos.

Caixas foram colocadas na porta da Igreja de Santa Luzia e em outros locais da área de abrangência da paróquia. As pessoas podem colocar quaisquer tipos de alimentos.

Os itens serão separados, montadas cestas e entregues a famílias carentes cadastradas na paróquia.