Slider

“O Ministério da Saúde cita como sinais de alerta para o suicídio: desesperança, isolamento social, preocupação com a própria morte, expressões de intenção suicida”.

 

Desde 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP, em parceria com o Conselho Federal de Medicina – CFM, organiza nacionalmente o Setembro Amarelo®. O dia 10 deste mês é, oficialmente, o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, mas a campanha acontece durante todo o ano. Segundo estas entidades, são registrados cerca de 12 mil suicídios todos os anos no Brasil e mais de um milhão no mundo. Para tratar do assunto, o Candeia entrevistou a médica psiquiatra Rebeca Mendes de Paula Pessoa, 32 anos, residente em Ribeirão Preto. Ela afirma que cerca de 97% dos suicídios estão relacionados ao transtorno psiquiátrico. “Outras causas que também estão associadas são o uso de drogas, incluindo uso de álcool, esquizofrenia, transtornos de personalidade, transtornos de ansiedade e transtornos de adaptação”, acrescenta. Rebeca Pessoa ainda comenta se há sinais que possam ser identificados em um suicida em potencial; se é possível evitar – em especial a família – que uma pessoa se mate; qual o atendimento que deve receber a pessoa que procura auxílio; e se o isolamento social devido à pandemia de Covid-19 pode influenciar na incidência de suicídio. Para ela, a Campanha Setembro Amarelo pode contribuir para que o suicídio e a doença mental deixem de ser tabus na sociedade brasileira.

 

Saiba mais sobre a entrevistada

 

A médica psiquiatra Rebeca Mendes de Paula Pessoa nasceu em Fortaleza (CE). É mestra em Ciências (Saúde Mental) pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (USP), com título de especialista em Psiquiatria pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

Atualmente trabalha como médica assistente no setor de urgências psiquiátricas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (USP) e é doutoranda em Saúde Mental na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (USP), com pesquisa na área de psicogeriatria.

 

Candeia – Quais as principais causas de suicídio?

Rebeca Pessoa – A principal causa de suicídio são os transtornos do humor, como quadros depressivos e de transtorno afetivo bipolar. Outras causas que também estão associadas são o uso de drogas, incluindo uso de álcool, esquizofrenia, transtornos de personalidade, transtornos de ansiedade e transtornos de adaptação.

 

Candeia – É possível determinar o perfil de quem tem tendência a cometer suicídio?

Rebeca Pessoa– O suicídio é relacionado em aproximadamente 97% das vezes com algum transtorno psiquiátrico. Sendo assim, é importante ficar atento sempre que uma pessoa apresente sinais de sofrimento psíquico. Os principais fatores associados são sexo masculino, extremos de idade (indivíduos mais jovens ou mais velhos), tentativas de suicídio prévias, pessoas com doença mental, uso de drogas, pessoas que moram só, desemprego e história de suicídio na família.

 

Candeia – Existem sinais que podem ser identificados em um suicida em potencial?

Rebeca Pessoa – O Ministério da Saúde cita como sinais de alerta para o suicídio: desesperança, isolamento social, preocupação com a própria morte, expressões de intenção suicida. Deve-se atentar para situações nas quais o indivíduo expresse não aguentar mais, se sentir um peso para os outros, preferir estar morto, que os outros serão mais felizes na sua ausência. Sempre em casos de dúvida é importante levar o paciente para avaliação com um profissional de saúde.

 

Candeia – É possível evitar que alguém próximo se mate? Como os familiares podem ajudar?

Rebeca Pessoa – O primeiro passo e talvez o mais importante seja escutar a pessoa com risco suicida de forma empática e sem preconceitos. Encorajá-la a procurar um profissional de saúde sempre, de preferência especializado em saúde mental. Se o risco suicida for considerado importante, não deixe a pessoa sozinha de forma alguma e procure um serviço de urgência. Unidade móvel de saúde poderá ser acionada através do número de telefone 192 em casos de urgência, e em casos de eventuais dúvidas, o Centro de Valorização a Vida (CVV) pode ser contactado através do número 188 (ligação gratuita).

 

Candeia – A campanha setembro amarelo tem focado na conversa como forma de evitar o suicídio. O que conversar?

Rebeca Pessoa – A campanha Setembro Amarelo existe desde 2014, e objetiva abordar e reduzir os números desse grande problema de saúde pública que é o suicídio. Infelizmente, o suicídio e a doença mental ainda são grandes tabus na nossa sociedade. Entender o problema, pensar sobre o assunto e desmistificá-lo são passos essenciais. Os transtornos mentais são doenças como quaisquer outras, e necessitam de atendimento por profissionais capacitados.

 

Candeia –Ao procurar auxílio, o que a pessoa deve esperar ao expressar pensamentos relacionados ao suicídio?

Rebeca Pessoa – Ao procurar atendimento em saúde devido a questões relacionadas à sua saúde mental, incluindo pensamentos suicidas, você tem o direito de ser respeitado e escutado em um ambiente sem julgamentos. O profissional que te atender irá providenciar a avaliação com um profissional da saúde mental.