Slider

Deivide Martins Sartori

“Os números levantados revelam quantos somos e como vivemos e servem de referência para ações em diferentes áreas”

No ano que vem o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) visitará os 71 milhões de domicílios existentes no País para realizar o Censo Demográfico de 2020. O trabalho de planejamento para a realização do levantamento já teve início. O coordenador do instituto da área de Jaú, Deivide Martins Sartori, conta que neste mês serão feitas reuniões de planejamento e acompanhamento nas cidades da região. “Os censos, realizados a cada 10 anos, representam uma oportunidade única no levantamento de informações que balizarão a tomada de decisões e a manutenção e implantação de políticas públicas”, diz Sartori. De 2008 a 2011 ele foi professor de matemática na rede estadual. Está no IBGE desde 2014, ocupando o cargo de técnico de informações geográficas e estatísticas. Atuou como coordenador da área de Jaú no Censo Agropecuário de 2017 e agora voltará as atenções para o Censo Demográfico de 2020.

Candeia – No ano que vem o IBGE realizará o Censo Demográfico 2020. Que providências estão sendo tomadas no momento pela agência de Jaú?
Sartori – No momento a agência do IBGE de Jaú está finalizando os trabalhos de atualização e edição dos mapas da base territorial dos municípios da região. Os mapas setoriais gerados por esse trabalho servem de insumo e referência para os contratados que realizarão o trabalho de coleta de informações em campo. Em outra frente, também estamos realizando trabalhos de campo para a atualização cadastral de endereços nas 13 cidades da nossa área (Bariri, Barra Bonita, Bocaina, Boraceia, Brotas, Dois Córregos, Igaraçu do Tietê, Itaju, Itapuí, Jaú, Mineiros do Tietê, Pederneiras e Torrinha), com foco nos bairros novos (que não existiam em 2010) e naqueles que apresentaram um aumento substancial de edificações (construções de prédios e novos domicílios, por exemplo). Paralelamente a isso, estamos agendando para o mês de outubro a realização das primeiras REPACs (Reuniões de Planejamento e Acompanhamento do Censo 2020) nesses 13 municípios.

Candeia – O IBGE deve realizar reunião em Bariri no mês de outubro? Qual o objetivo desse encontro?
Sartori – Sim. As REPACs são realizadas em todos os municípios do Brasil. Essas reuniões são um importante canal de diálogo e cooperação que o IBGE estabelece com cada comunidade local, representada por membros dos poderes Executivo e Legislativo, entidades de classe, instituições públicas, imprensa e por outros representantes da sociedade civil. As reuniões permitem o acompanhamento da operação do Censo 2020 pela comunidade local, dando transparência e agregando esforços para facilitar o Censo, como, por exemplo, no auxílio na divulgação dos processos seletivos e no apoio para a montagem dos postos de coleta nos municípios.

Candeia – Qual a importância do trabalho censitário para a população e para a definição de políticas públicas?
Sartori – Os censos, realizados a cada 10 anos, representam uma oportunidade única no levantamento de informações que balizarão a tomada de decisões e a manutenção e implantação de políticas públicas nas diversas esferas administrativas (federal, estadual e municipal). Os números levantados revelam quantos somos e como vivemos e servem de referência para ações em diferentes áreas como educação, saúde, trabalho, transporte, lazer, etc. A construção de escolas e creches, o planejamento de campanhas de vacinação, a atualização dos dados de expectativa de vida da população para os cálculos previdenciários são apenas alguns exemplos específicos de ações que tomam como base os dados coletados pelo censo. No nível municipal, os dados do censo também são muito importantes para a definição dos repasses do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), que possui faixas que variam conforme o número de habitantes de cada município.

Candeia – Quem ficará responsável pelo trabalho de campo? Haverá contratações emergenciais para esse serviço?
Sartori – As contratações ocorrem por meio de processos seletivos simplificados. Os trabalhos são temporários e as oportunidades são para as vagas de recenseador, agente censitário operacional, agente censitário supervisor, agente censitário municipal e coordenador censitário subárea. No momento, o IBGE conta com um concurso aberto para o preenchimento em todo o país de 1.343 vagas de nível superior para o cargo de coordenador censitário subárea e 1315 vagas de nível médio para o cargo de agente censitário operacional. Na região de Jaú, há uma vaga em Jaú e uma vaga em Barra Bonita ambas para o cargo de coordenador censitário subárea. A remuneração para essa função será de R$ 3.100,00 e as inscrições no concurso seguem até o dia 15 de outubro podendo ser feitas pelo site https://fgvprojetos.fgv.br/concursos/ibgepss2019. Nos próximos meses, o IBGE lançará os editais para o preenchimento das demais vagas.

Candeia – Que metodologia o IBGE emprega para aferir a população de determinada localidade? Quais as questões que são observadas?
Sartori – Para responder essa pergunta é interessante diferenciar os dados das estimativas anuais da população do trabalho dos Censos Demográficos realizados a cada 10 anos. No censo (planejado para ocorrer em todos os anos terminados em zero – 2000, 2010, 2020, etc) o IBGE tem como missão visitar os aproximadamente 71 milhões de domicílios do País aplicando os questionários para os moradores. Ao final do trabalho, a consolidação dos dados coletados revela a população total do País e de cada localidade. Nos anos em que não há censo, o IBGE lança anualmente estimativas populacionais que se baseiam nos dados censitários e em diversos registros administrativos como os de nascimentos, óbitos e migrações para aferir a população do País, estados e municípios.

Candeia – Em relação à região de Jaú, há alguma peculiaridade da última década que o senhor destacaria?
Sartori – A última estimativa populacional do IBGE, publicada em agosto de 2019, apontou que os municípios brasileiros que mais crescem possuem entre 100 mil e 1 milhão de habitantes. Nessa faixa temos, por exemplo, o município de Jaú na nossa região. Por outro lado, a estimativa também revelou que quanto menor o município, menor a taxa de crescimento populacional. De modo geral, a oferta de emprego e renda aliada a uma melhor qualidade de vida tendem a ser atrativos importantes para que os municípios recebam novos moradores em busca dessas oportunidades e condições. Nesse sentido, a última década apontou taxas de crescimento discrepantes entre as 13 cidades da nossa área de trabalho. Os dados do Censo 2020 ajudarão numa melhor análise dessas tendências.