Slider

Reunião na Santa Casa entre três prefeitos ocorreu na tarde de segunda-feira: discussão sobre repasses e participação de Boraceia e de Itaju em comissão – Robertinho Coletta/Candeia

Os prefeitos de Boraceia, Marcos Vinício Bilancieri, e de Itaju, José Luis Furcin, se comprometeram em fazer repasse único à Santa Casa de Bariri. O dinheiro será utilizado para o pagamento do 13º salário aos funcionários do hospital.
O assunto foi discutido na tarde de segunda-feira, dia 29, em reunião na Santa Casa de Bariri. Além dos dois prefeitos, participaram do encontro o prefeito de Bariri, Francisco Leoni Neto, o interventor do hospital, Fábio Zenni, e membros da Comissão Intervencionista Provisória da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Bariri.
Conforme acertado na reunião, Boraceia fará repasse de R$ 74,5 mil e Itaju de R$ 60,1 mil. Como o hospital não dispõe de Certidão Negativa de Débito (CND), é possível legalmente fazer os repasses na forma de subvenção social.
A ideia é que as partes voltem a conversar para discutir transferências mensais ao hospital, principalmente para manutenção do pronto-socorro (PS).
A Santa Casa de Bariri possui duas fontes de recursos públicos. Mensalmente, o Sistema Único de Saúde (SUS) transfere R$ 214 mil para internações e serviços ambulatoriais. Outros R$ 350 mil são repassados pela prefeitura de Bariri para a gestão do PS, no entanto, o custo mensal para a administração dele está perto de R$ 400 mil.
O serviço emergencial de Bariri é utilizado por moradores de Boraceia e de Itaju. Por esse motivo, o intuito é que as prefeituras das cidades vizinhas voltem a contribuir financeiramente com o PS, como era feito até 2017.

Reclamações

Na reunião, Zenni apresentou quantitativo de atendimentos das três cidades no pronto-socorro.
Furcin questionou o montante apresentado. Segundo ele, o serviço deveria atender apenas casos de urgência e emergência. Para que essa medida ocorra na prática, é preciso que o PS disponha de classificação de risco.
Bilancieri disse que há falta de resolutividade no serviço. Mencionou que por diversas vezes moradores de Boraceia procuraram atendimento em Bariri e não foram atendidos por médicos. A referência do prefeito é quanto aos plantões à distância.
Também no encontro, Zenni informou que a situação financeira da Santa Casa está em processo de auditoria.
Outro trabalho, de consultoria hospitalar, já concluído, apontou que o prédio é grande pelos serviços que oferece.
O objetivo é agrupar mais complexo hospitalar, transferindo o PS para a ala onde funciona hoje a maternidade. Já o setor onde está instalado o pronto-socorro poderia abrigar a Unidade Básica de Saúde (UBS) situada no Jardim Nova Bariri. Assim, a prefeitura deixaria de pagar aluguel do imóvel.
Para que essas medidas sejam efetivadas, deverá haver ação entre os três municípios para a captação de serviços e fornecimento de material junto à iniciativa privada.
Sobre as reclamações dos prefeitos quanto ao atendimento no PS, eles deverão indicar pessoas para que façam parte da Comissão Intervencionista Provisória da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Bariri, cujos membros normalmente se reúnem às sextas-feiras.