Slider

O projeto foi aprovado por maioria de votos (5 a 2); autorização legislativa é necessária tendo em vista a prorrogação da intervenção do hospital por mais 90 dias – Divulgação

Em caráter de urgência, a Câmara Municipal de Bariri aprovou projeto de lei do prefeito Abelardo Maurício Martins Simões Filho (MDB) que destina R$ 1,2 milhão a título de subvenção à Santa Casa de Bariri, com vigência de 90 dias (de julho a setembro de 2021). Serão três parcelas mensais de R$ 400 mil.

A autorização legislativa é necessária tendo em vista a prorrogação da intervenção administrativa do hospital por mais 90 dias, definida pela atual gestão municipal.

O encontro – coordenado pelo presidente da Casa, Benedito Antônio Franchini (PTB) – contou com a participação de oito vereadores. Ricardo Prearo (PDT) esteve ausente por motivo de saúde.

Os valores são idênticos aos que vinham sendo repassados até junho/2021. Os recursos são provenientes do Fundo Municipal de Saúde e devem ser utilizados para manutenção dos serviços emergenciais de pronto socorro e somado à verba encaminhada através do Sistema Único de Saúde (SUS), para manutenção total do hospital.

Em mensagem enviada à Câmara, Abelardinho Simões ressalta a necessidade de manter a Santa Casa em funcionamento, pela sua importância no atendimento a pacientes de Bariri, Boraceia e Itaju. Destaca ainda que os valores repassados através do SUS, somados às receitas próprias da Santa Casa, são insuficientes para manutenção do hospital

 

Voto de confiança

 

O projeto foi aprovado por maioria de votos (5 a 2), com posicionamento contrário dos vereadores Francisco Leandro Gonzalez (Pode) e Paulo Egídio Grigolin (PP), que discordaram da votação em caráter de urgência.

Para Gonzalez havia tempo suficiente para o Executivo propor com mais antecedência a renovação da subvenção e, consequente, intervenção administrativa. “Mais uma vez estamos votando a toque de caixa”, definiu.

Os vereadores que defenderam a aprovação também reclamaram da urgência de tramitação, mas destacaram a necessidade de regulamentação dos recursos para pagamento, inclusive, dos salários dos funcionários da Santa Casa.

Edcarlos Pereira dos Santos (PSDB) e Airton Luís Pegoraro (MDB) afirmaram que participaram de reunião realizada dia 1º de julho, na Santa Casa, que reuniu representantes do Executivo, Legislativo e Ministério Público.

No encontro houve espécie de “lavagem de roupa suja” com reclamação dos vereadores pela falta de informações e transparência, além de urgência constante na votação de projetos referentes a recursos para a Santa Casa.

Mesmo assim, além da preocupação com a situação dos funcionários e sindicato, acharam por bem dar mais uma vez um voto de confiança aos atuais administradores do hospital.  Citaram em especial a presença do médico Luís Gonzaga Gerlin à frente do Conselho Administrativo da Santa Casa.