Slider

José Roberto Dalla Coletta – “A opção da entrega em domicílio (delivery), bem como a possibilidade de comprar via internet está cada vez mais disponível nos diversos ramos”

 

Os setores comercial e industrial estão chegando ao fim de 2020 com uma nova visão nas relações de consumo, provocada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Para o presidente da Associação Comercial e Industrial de Bariri (Acib), José Roberto Dalla Coletta, por causa do distanciamento social e redução nos horários de atendimento os empresários adotaram um novo modelo de relacionamento com os consumidores, com aumento dos negócios online e entrega em domicílio. Na entrevista ao Candeia, Roberto Coletta fala das boas expectativas para o fim do ano e para o início de 2021, o andamento das obras de construção da sede social da Acib e as expectativas com o novo governo que inicia em janeiro. “Os desafios são muitos, mas ao mesmo tempo sempre é bom ouvir os envolvidos nos diversos setores, para que as ações sejam pontuais e de grande eficácia”, afirma. Formado em economia e pós-graduado em gestão empresarial pela Instituição Toledo de Ensino (ITE), o empresário assumiu a presidência da Acib de 1989 a 1991, 2005 a 2007, 2017 a 2018 e para o biênio 2019-2020. Por causa da pandemia, o Conselho Deliberativo decidiu prolongar o mandato da atual diretoria por até 180 dias a partir do mês que vem.

 

Candeia – Diante da pandemia da Covid, qual sua avaliação dos setores comercial e industrial de Bariri em 2020?

Roberto Coletta – Apesar de todos os transtornos inicialmente causados pela pandemia da Covid, aos poucos todos foram percebendo que não seria em pouco espaço de tempo que o problema seria resolvido, haja vista a inexistência de qualquer vacina. Neste sentido, a criatividade dos empresários, tanto do comércio quanto da indústria, entrou em ação e medidas foram tomadas para que a atividade voltasse a funcionar, mesmo que não fosse na mesma intensidade pré-epidemia. Aos poucos as alternativas foram sendo implantadas e encontrando um novo modo de trabalhar. Chegando o final de 2020 pode-se dizer que os setores comercial e industrial souberam superar os desafios. Não restam dúvidas que muitos ficaram pelo caminho e diversas empresas serraram suas portas, mas de modo geral foi positivo.

 

Candeia – Quais as perspectivas para 2021?

Roberto Coletta – O novo ano chega para consolidar os desafios superados em 2020. Aos poucos as atividades tendem a encontrar o seu rumo. As expectativas, de modo geral, são positivas projetando um crescimento da economia já no primeiro trimestre de 4,5%, segundo as estimativas de um grande banco. Isso se deve principalmente ao represamento ocorrido em 2020, que passará a se consolidar logo no início de 2021. Esse mesmo banco estima que no final do ano a inflação deverá estar na casa de 3,1%, com juros ao redor de 3,00% e um dólar de R$ 5,00. O consumo de bens e serviços já apresenta um crescimento neste final de ano, mudando o cenário até então apresentado. Apesar de continuar sendo um ano de superação, 2021 pode ser o marco do novo modelo de gestão e empreendedorismo, mas já mostrando crescimento.

 

Candeia – O senhor acredita que com a pandemia haverá mudanças na relação de consumo? Como o comércio local pode se preparar para isso?

Roberto Coletta – Não restam dúvidas de que o cenário resultante da pandemia mostrou que a relação de consumo mudou, fazendo com que os empresários passassem a adotar um novo modelo de relacionamento com seu cliente. A opção da entrega em domicílio (delivery), bem como a possibilidade de comprar via internet está cada vez mais disponível nos diversos ramos. Isso faz com que não seja necessária a presença do cliente nas lojas, evitando a aglomeração e, com isso, a diminuição da contaminação/transmissão, principalmente das pessoas consideradas de risco. A empresa que não se preparar para este tipo de atendimento poderá ser superada tanto por aquelas que migrarem como as que surgirem já adotando este modelo. Para suprir a necessidade do atendimento remoto a Associação Comercial disponibilizou em seu site, para que as empresas filiadas possam cadastrar seus produtos, utilizando para as vendas online. Esse novo modelo fez com que ficasse marcante a figura dos motoboys, que passaram a estar presentes nos diversos ramos de atividade, seja na área da alimentação ou do fornecimento de medicamentos, por exemplo. Surgiu aí uma nova atividade antes pouco utilizada, a não ser pelas pizzarias e algumas lanchonetes.

 

Candeia – A Acib iniciou campanha de Natal e na segunda-feira o comércio passa a funcionar até as 20h. O senhor acredita num aquecimento de vendas para o fim de ano?

Roberto Coletta – Como acontece todos os anos, a Acib colocou à disposição de seus associados a opção de participar da campanha de Natal. Não restam dúvidas que não deixa de ser mais um estímulo para o consumidor optar para os lojistas que oferecem a possibilidade de ganhar um prêmio neste final de ano, engordando um pouco mais o orçamento de Natal. Tudo isso somado à reserva financeira, além do 13º irá gerar um aquecimento nas vendas de final de ano.

 

Candeia – Como está o andamento das obras da sede social da Acib e qual a previsão de conclusão do projeto?

Roberto Coletta – Apesar de um pouco atrasada em relação ao planejado, também causado pelo reflexo da pandemia, a obra está entrando na fase de acabamento. Até o final do mês deverá estar pronto o piso do salão de festas, assim como ter iniciado o assentamento dos revestimentos da cozinha e banheiros. A instalação elétrica já está caminhando bem, haja vista que a maior parte do material já foi comprada e paga. Para o começo do ano serão instalados os vidros e portas e iniciada a pintura. A expectativa é que a obra fique pronta até o final de abril do próximo ano.

 

Candeia – Em janeiro terá início um novo governo em Bariri. Qual sua expectativa com os novos gestores e que olhar devem ter para os setores comercial e industrial do município?

Roberto Coletta – Primeiramente há que se levar em conta que qualquer mudança que ocorra não será do dia para noite. Pelos menos deve-se estar ciente que serão necessários, pelo menos, 90 dias para que o novo governo tome corpo e passe a implantar seu plano de gestão. Bariri é um município que tem potencial para o consumo, tanto de bens quanto de serviços. Basta notar as diversas lojas de rede presentes na cidade e a quantidade de construções de todos os padrões em andamento. Neste sentido há a necessidade da valorização e atenção especial para o setor comercial e de serviços, importantes geradores de emprego e renda. Quanto ao setor industrial deve-se aproveitar a localização de Bariri, no centro geográfico do Estado, servido por rodovias além da hidrovia, para atrair empresas que possam utilizar destes benefícios para ampliar suas instalações. Este setor também é capaz de reverter todo esforço despendido pelo município em incentivos, os quais serão devolvidos em emprego e renda, além da arrecadação de impostos. A administração municipal não pode descuidar desses setores, caso contrário não existirá recursos para a aplicação nas demais pautas, tais como saúde e educação. Além desses, há de se atentar para o setor agropecuário, pouco lembrado, mas que também tem papel fundamental. Para finalizar, os desafios são muitos, mas ao mesmo tempo sempre é bom ouvir os envolvidos nos diversos setores, para que as ações sejam pontuais e de grande eficácia.

 

Lojas funcionam até 20h a partir de segunda-feira

 

A partir de segunda-feira (14) os estabelecimentos comerciais de Bariri ficarão abertos até as 20 horas. O horário estendido vai até dia 23 de dezembro, com exceção dos sábados.

Nos dias 12, 19 e 26 as lojas funcionarão das 9h às 17h. No dia 20, domingo, o horário é das 9h às 18h. No dia 24, quinta-feira e véspera de Natal, e de 28 a 30 de dezembro o comércio atenderá das 9h às 18h.

Os horários foram estabelecidos em acordo entre a prefeitura, a Associação Comercial e Industrial de Bariri (Acib) e Sincomércio, visando as orientações do Plano SP, objetivando proporcionar ao consumidor maior segurança e conforto durante as compras de final de ano, evitando as aglomerações e buscando reduzir a perda do faturamento do setor.

A Acib continua com a Campanha de Natal distribuindo cupons nas lojas participantes. São 39 empresas que aderiram à ação de vendas, oferecendo 20 prêmios. As lojas estão identificadas com banners e cartazes da promoção.

Quem preencher os bilhetes irá concorrer a uma moto Honda Biz 110i 0km e 19 vales-compras no valor de R$ 200,00 cada. O sorteio será realizado no dia 9 de janeiro, às 10h, no auditório da Acib.