Slider

Em funcionamento desde 1965, a Usina Hidrelétrica Álvaro de Souza Lima, chamada Usina Bariri, pertencente à AES Tietê, completa 55 anos de operação.

Segunda barragem de aproveitamento do rio Tietê, a usina também é um importante polo gerador de negócios para a região.

A margem direita da usina pertence a Bariri e a margem esquerda ao município de Boraceia. Hoje o endereço fiscal pertence à Boraceia: Rodovia SP 261, km 273, s/nº Mombuca. De acordo com a assessoria da AES Tietê, a opção da empresa é manter o nome tradicional de Usina Bariri.

Por conta de sua eclusa, a usina transporta até 300 passageiros a cada eclusagem. Também é capaz de movimentar toneladas de produtos ao mês. Em maio de 2009, por exemplo, a eclusa recebeu o recorde de mercadorias: foram mais de 380 mil toneladas.

Os principais produtos transportados na usina são: soja em grão, farelo de soja, milho, cana-de-açúcar, madeira e açúcar.

Com uma barragem de mais de 856 metros de comprimento e três turbinas, a usina gera um total de 136,5 MW de energia, suficiente para abastecer aproximadamente 453 mil casas.

Para movimentá-la, são necessários 14 profissionais, além de outros 17 responsáveis pela manutenção das máquinas desta e de outras duas usinas controladas pela AES Tietê (Barra Bonita e Ibitinga).

 

Fonte: Assessoria de Imprensa da AES Tietê

Foto da construção da Usina Hidrelétrica Álvaro de Souza Lima, chamada Usina Bariri, hoje pertencente à AES Tietê – Divulgação

Segunda barragem de aproveitamento do rio Tietê, a usina também é um importante polo gerador de negócios para a região – Divulgação

 

Informações técnicas UHE Bariri:

 

UHE Bariri Entrada em operação: 1965

Localização: Rio Tietê – Rod. Bariri/Boracéia, km 12 – Boracéia (SP)

Reservatório: área de 63 km² e volume de 607 x 106 m³

Tipo de operação: Reservatório fio d’água

Barragem: tipo Terra/Concreto, comprimento: 856,25 m

Usina despachada centralizadamente e pertencente à rede de operação

Usina automatizada, não telecomandada

Turbina: tipo Kaplan de eixo vertical, queda bruta de 24 m

Gerador: tipo Umbrella de eixo vertical

Potência instalada: 2 x 47,7 e 1 x 41,4 = 136,8 MW (corresponde a 5,2% da AES Tietê)

Energia assegurada: 66 MW médio (corresponde a 5,2% da AES Tietê)

Serviço ancilar: Black start

Vertedouro: tipo Comporta de superfície e descarga total de 6 x 431 = 2.856 m³/s

Vertedouro: tipo Comporta de fundo e descarga total de 2 x 853 = 1.706 m³/s

Número de Turbinas: 3

Número de Circuitos: 6

Tensão Nominal da SE contígua a UHE: 138 Kv ligada as DITs (Demais Instalações de Transmissão), que não pertencem à rede de operação

Cota Máxima Útil: 427,50 m

Cota Mínima Útil: 426,50 m

Tem eclusa: Núcleo do departamento hidroviário fica dentro da usina. Exigência de 95% de disponibilidade por concessão

Funções primárias: Geração de energia elétrica e Eclusagem de embarcações

Funções secundárias: Black start: Capacidade de autorrestabelecimento integra.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa da AES Tietê

 

Sobre a AES Tietê

 

A AES Tietê atua como uma plataforma integrada de energia renovável com soluções customizadas de acordo com a necessidade de seus clientes. Está entre as maiores companhias privadas de geração do Brasil, atuando no país há 20 anos. O Centro de Operações de Geração de Energia (COGE), localizado em Bauru (SP), é o mais tecnológico do país e opera remotamente todos os ativos da companhia.

No portfólio, composto por geração hídrica, solar e eólica, estão nove usinas hidrelétricas e três pequenas centrais hidrelétricas, dois Complexos Solares, Guaimbê e Ouroeste, em São Paulo, além do Complexo Eólico Alto Sertão II, na Bahia. Recentemente, a companhia anunciou investimento na construção do Complexo Eólico Tucano, também no estado da Bahia

 

Fonte: www.aestiete.com.br