Slider

Para o operar, além de inovações tecnológicas, uma preocupação sempre foi a conscientização de segurança no dia a dia das plataformas – Divulgação

55 anos

Neste sábado, 24 de outubro, a Usina Hidrelétrica Álvaro de Souza Lima, conhecida como UHE Bariri, que pertence à AES Tietê, completa 55 anos de operação. Para abordar o assunto, o Candeia entrevistou o operador de usina e subestação, José Edir Ferraz, de 59 anos, que há 20 anos atua na área técnica da empresa, nas usinas de Ibitinga, Bariri e Barra Bonita.

José Edir é casado, tem dois filhos e é formado no curso de Técnico em Eletrônica.   Iniciou suas atividades na Usina de Ibitinga, onde atuou por 13 anos. Em 2013 foi convidado para trabalhar na UHE Bariri onde ficou até 2016.

Neste mesmo ano, a AES Tietê começou a implantar a manutenção autônoma nas usinas e então foi novamente convidado a trabalhar em outra planta, a Usina de Barra Bonita que precisava completar o quadro de operação. Em 2020, voltou para UHE Bariri, onde pretende encerrar a carreira.

Através da assessoria de imprensa da AES Tietê, o operador comentou sobre o trabalho na usina local; os maiores desafios, as mudanças e permanência; e a importância e representatividade da empresa perante a comunidade.

Para ele, as constantes mudanças tecnológicas implantadas pela empresa são os maiores desafios que enfrentou ao longo dessas 20 anos.  “Tudo era feito por botoeiras nos painéis e passaram a ser por softwares nos computadores. Foi um novo e rico aprendizado”. .

Outro ponto positivo citado por ele é a questão da segurança. Ressalta que a empresa sempre coloca a segurança em primeiro lugar e investe na equipe com treinamentos. “Isso possibilita que a equipe de trabalho possa se adaptar com as mudanças e superar todos os desafios”, relata.

Ou seja, apesar das constantes inovações tecnológicas, uma aspecto permanece o mesmo ao longo desses 55 anos de operação: o trabalho de conscientização de segurança no dia a dia das plataformas.

José Edir afirma que tem muito orgulho de fazer parte do time de Bariri. Relata que amigos e a população em geral fazem perguntas sobre a operação e ficam impressionados com o alcance social da AES Tietê.  “O conceito da empresa é muito bom, porque mantém vários trabalhos sociais com a comunidade e, também, com o meio ambiente em toda a região que está presente. As pessoas admiram a companhia”, ressalta.

Para ele, um dos aspectos mais importantes a destacar nesses 55 anos de operação é que a usina hidrelétrica trouxe movimentação para o comércio local e gera empregos diretos e indiretos em grandes manutenções e impostos.  “Sem contar o aproveitamento no transporte pela hidrovia. Bariri é muito utilizada pelas usinas de álcool”, comenta.

E conclui: “tenho muito orgulho de atuar numa empresa que há tantos anos vem gerando energia, limpa, segura e confiável para nossa região”.