Slider

Disputa ocorreu na terça-feira, dia 17, na Sala de Licitações: prazo para recurso e análise jurídica definirão prestador do serviço – Caio Glauco

A prefeitura de Bariri realizou na terça-feira, dia 17, licitação na modalidade pregão presencial para contratar empresa responsável pelo serviço de manutenção do sistema de toda iluminação pública do município.
Ao todo, sete empresas participaram da disputa. Em relação às propostas escritas, os valores apresentados foram os seguintes: Constrex Instalações e Construções – R$ 810,3 mil; Potencial Elétrico Serviços de Iluminação – R$ R$ 720,8 mil; Sampietro Engenharia e Construções Comércio e Serviços – R$ 650,5 mil; Sinergia Inovação Elétrica e Imobiliária – R$ 556 mil; Tecnolumen Iluminação Urbana – R$ 530,9 mil; Mazza, Fregolente & Cia. Eletricidade e Construções – R$ 520,7 mil; e Luz Forte Iluminação e Serviços – R$ 514,5 mil.
Em seguida, houve a rodada de lances, com teto de R$ 510 mil. A proposta final foi apresentada pela Sinergia, com R$ 349 mil. O valor é 67% inferior ao estimado pela prefeitura de Bariri.
A Sinergia é empresa baririense. Conforme a Junta Comercial do Estado de São Paulo (Jucesp), foi constituída em novembro de 2018 e está localizada na Rua Paschoal Bollini, 37, no Jardim Paulista.
O Executivo previu para essa licitação R$ 1.064.286,02, sendo R$ 949.068,48 para manutenção do parque de iluminação e R$ 115.217,54 para a ampliação e modernização da iluminação.
Foi aberto prazo para recursos. Caso não haja questionamentos, o caso será remetido para análise junto à Procuradoria Jurídica.

Mudanças

No pregão realizado em outubro do ano passado o valor estimado pela administração municipal foi de R$ 744.175,44. A Mazza e Fregolente venceu a disputa com proposta de R$ 299,5 mil por ano, valor 60% menor que o estimado.
A prefeitura decidiu licitar novamente o serviço por duas razões. A primeira é que a CPFL Paulista registrou maior número de pontos de luz devido à abertura de novos loteamentos.
Atualmente estão cadastrados 7.138 pontos de iluminação pública, sendo 5.374 pontos registrados em postes da CPFL e 1.764 pontos registrados em praças e logradouros pertencentes ao município. Até então havia 6.376 pontos de iluminação pública na cidade.
O segundo fator é que antes o Executivo pagava pelo trabalho executado ao fim de um mês. A partir do início da prestação do serviço pela Mazza e Fregolente, os pagamentos começaram a ser feitos pela hora do eletricista, do veículo utilizado etc. O novo edital previu a volta do sistema anterior.
Outra alteração é que as reclamações sobre falta de iluminação ou luz acesa durante o dia serão recepcionadas pela empresa vencedora da licitação e não mais pela prefeitura.