Composição 1_1
Composição 1_1

A prefeitura de Bariri abriu chamada pública a fim de credenciar laboratórios para realização de análises físico-químicas, microbiológicas, entre outras de alimentos e água. O objetivo é atender os estabelecimentos locais registrados no Serviço de Inspeção Municipal (SIM) do município.
Os envelopes contendo os documentos deverão ser protocolados até as 8h30 de 31 de março no Setor de Licitação.
De acordo com o diretor de Desenvolvimento Econômico de Bariri, Flavio Muniz Dalla Coletta, o poder público busca a equivalência do SIM ao Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbi-POA).
Com isso, o SIM irá receber inspeção de órgão federal. As empresas que obtiverem o selo municipal poderão comercializar produtos em todo o Brasil e não apenas em Bariri.
Flávio diz que participou de reunião em São Paulo com técnicos do Ministério da Agricultura e Abastecimento. Além disso, órgão ligado ao ministério em Brasília recebeu documentos da prefeitura e solicitou o credenciamento de laboratórios.

Qualidade

As análises laboratoriais dos produtos registrados no SIM de Bariri, bem como análises de água, serão realizadas para atestar a qualidade dos produtos de origem animal produzidos no município, que atendem a população local e futuramente atenderão em território nacional, através do Sisbi. Estão entre esses produtos leite e derivados, carne e derivados, pescado e derivados, ovos, mel, água
As análises laboratoriais são necessárias para cumprir os requisitos relacionados à conformidade e inocuidade dos produtos de origem animal inspecionados pelo SIM, assim como no combate à fraude.
O selo municipal deve dispor ou ter acesso a laboratórios com capacidade comprovada e adequada para atendimento das análises oficiais demandadas pelo serviço de inspeção.

Adesão motivou reclamação

Em julho do ano passado um empresário entrou em contato com o Candeia para reclamar do alto custo para migração do Serviço de Inspeção Municipal (SIM) para o Sistema Brasileiro de Inspeção (Sisbi). Projeto de lei que trata do assunto foi aprovado em 2020.
Segundo ele, terminaria no dia 31 de agosto de 2021 o prazo para adequação. Mesmo quem não quisesse migrar para o Sisbi teria de se adequar à lei municipal, com contratação de veterinário, análise de água e de produto, entre outras despesas. “Nenhuma empresa de Bariri irá conseguir o selo por causa do alto custo”, estimou o empresário.
Bariri implantou em 2001 o SIM. Somente com a existência do selo municipal ou do Serviço de Inspeção Estadual (Sisp) é possível que haja a adesão do Sisbi, permitindo que as empresas possam comercializar produtos em todo o território nacional.
De acordo com o Ministério da Agricultura e Abastecimento, município e Estados que aderem ao Sisbi garantem às agroindústrias interessadas a autorização para venderem seus produtos de origem animal – como queijos, salames, ovos e mel – para todo o País e não apenas para sua cidade ou Estado.
Segundo o órgão federal, que criou a certificação em 2006, a adesão beneficia principalmente os pequenos estabelecimentos, que muitas vezes têm dificuldade em cumprir todos os requisitos burocráticos e técnicos exigidos pelo Sistema de Inspeção Federal (SIF).
O Sisbi padroniza e harmoniza os procedimentos de inspeção de produtos de origem animal para garantir a inocuidade e segurança alimentar.
Para efetivar a adesão, é necessário comprovar que municípios ou Estados têm condições de avaliar a qualidade e a inocuidade dos produtos de origem animal com a mesma eficiência do ministério.

Diretor de Desenvolvimento, Flavio Coletta, diz que prefeitura busca a equivalência do SIM ao Sistema Sisbi-POA, de âmbito federal | Divulgação

Da Redação